Cruz Vermelha resgata 11 deputados mortos pelas Farc

Políticos haviam sido seqüestrados em 2002 e foram mortos no cativeiro há 78 dias

Efe,

03 de setembro de 2007 | 20h32

A Cruz Vermelha recuperou nesta segunda-feira, 3, os corpos dos 11 deputados colombianos seqüestrados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em 2002 e mortos em cativeiro há 78 dias.   Veja Também Farc reafirmam que deputados morreram em fogo cruzado Chefe das Farc ligado a Beira-Mar morre na Colômbia   Farc dizem que encontro com Chávez é possível   "Os corpos dos deputados foram resgatados, mas condições meteorológicas adversas impediram o retorno deles com a comissão a Cali" em helicóptero, disse à Agência Efe uma fonte diplomática que acompanha o trabalho do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).   Cali é a capital do departamento (Estado) de Valle del Cauca, de onde eram os deputados mortos.   Uma delegação do CICV acompanhada pelo ex-ministro Álvaro Leyva, saiu na madrugada desta segunda de Cali rumo ao local onde as Farc indicaram que estavam os restos mortais dos deputados.   O traslado dos corpos dos políticos será feito na terça-feira, tão logo melhorem as condições do tempo na área do resgate, situada em um lugar não especificado do sudoeste da Colômbia.   Nas dependências do Instituto Médico Legal de Cali há grande movimentação à espera dos corpos para identificá-los. Exames serão realizados por uma comissão internacional, coordenada por um canadense e que conta também com uma portuguesa, um dinamarquês e um argentino.   Os 11 deputados mortos faziam parte de um grupo de 12 parlamentares regionais que foram seqüestrados em 11 de abril de 2002 em um assalto das Farc à sede da Assembléia do Departamento de Valle del Cauca.   Em 28 de junho último, as Farc anunciaram que 11 dos 12 reféns tinham morrido havia dez dias em um "fogo cruzado" com "um grupo militar não identificado", em versão rejeitada pelo governo colombiano, que culpa a guerrilha pela morte dos legisladores.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbiaDeputados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.