Cuba aceita negociar 'tudo' com Obama

Na véspera da Cúpula das Américas, EUA pedem 'gesto' e Raúl se dispõe a falar sobre presos e direitos humanos

Denise Chrispim Marin, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2009 | 04h03

Na véspera da abertura da 5ª Cúpula das Américas, o presidente cubano, Raúl Castro, declarou na quinta-feira, 16, na Venezuela, estar disposto a discutir "todas as coisas" com os EUA, segundo a agência de notícias Associated Press. A declaração, é uma resposta ao presidente dos EUA, Barack Obama, que horas antes, numa entrevista à TV CNN em espanhol, cobrou uma contrapartida do regime cubano à iniciativa americana de eliminar restrições a remessas de divisas e a viagens a Cuba.

 

linkObama e Lula acertam agenda para Cúpula das Américas

linkBrasil é 'potência' e 'grande jogador mundial', diz Obama

linkObama pede 'sinal' de Cuba para viabilizar relações

linkCuba deve dar 'próximo passo' com EUA, diz Hillary Clinton

linkFidel elogia militares americanos

linkCalderón pede que Obama reconsidere embargo a Cuba

linkVeja os principais temas em discussão na Cúpula das Américas

linkConheça os objetivos de Obama na Cúpula das Américas

lista Principais pontos do embargo contra Cuba

especialEspecial: Os 50 anos da Revolução Cubana

 

"Mandei dizer ao governo americano, em privado e em público, que estamos dispostos a discutir tudo - direitos humanos, liberdade de imprensa e presos políticos", disse Raúl em discurso durante reunião na Venezuela. Ele acrescentou que Cuba está aberta a discutir "em igualdade de condições, sem a menor sombra sobre nossa soberania e sem a mínima violação do direito de autodeterminação do povo cubano".

 

Obama disse na entrevista esperar que Havana permitisse que cubanos viajem ao exterior. No Haiti, a secretária americana de Estado, Hillary Clinton, ampliara as demandas da Casa Branca e cobrou a "democratização de Cuba" e a "libertação de presos políticos". A exigência de contrapartidas pela novo governo americano deverá repercutir na cúpula de Trinidad e Tobago que, entre esta sexta-feira e domingo, selará o primeiro contato entre Obama e os líderes da América Latina e do Caribe.

 

Ainda na quinta-feira, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, advertiu que não assinará o documento final da cúpula e seus aliados seguirão a mesma linha. Na cidade venezuelana de Cumaná, Chávez reuniu-se na quinta-feira com sete líderes da região, entre os quais Raúl Castro, para "afinar a artilharia" para o evento. Fontes em Port of Spain disseram que Venezuela e Nicarágua se opõem especialmente a dois artigos do esboço da declaração. O primeiro refere-se ao sistema interamericano de direitos humanos e o segundo é um reconhecimento do papel da Organização dos Estados Americanos (OEA). Ambos são interpretados pelo "bloco bolivariano" como contrários à reinserção plena de Cuba à comunidade interamericana.

 

Chávez declarou na quinta-feira que espera encontrar-se com Obama, em Port of Spain, para que ambos possam "dizer nossas verdades". Mas, à noite a Casa Branca descartou a possibilidade de uma reunião bilateral entre Chávez e Obama.

 

"Ao mesmo tempo em que levantamos as restrições às viagens, o certo é que há cubanos que não podem viajar para fora de Cuba", declarou Obama à CNN, após ressaltar, diplomaticamente, que a ilha "pode ser um elemento crucial do crescimento econômico regional".

 

"Não espero que os cubanos venham a implorar algo, mas que haja mudanças que permitam a liberdade de associação, que as pessoas possam se expressar, ir à igreja, exercer os mesmos direitos que no restante das Américas", completou.

 

Na entrevista, Obama qualificou o Brasil como "potência econômica e peça-chave no cenário mundial", acrescentando que sua relação com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva é a de "dois líderes de grandes países que devem ser parceiros".

 

A diplomacia brasileira trabalha numa discreta lógica de persuasão do regime cubano. Na terça-feira, o chanceler Celso Amorim avaliou a iniciativa de levantar as restrições a Cuba como um "pequeno passo na direção certa". Mas enfatizou que os EUA não deveriam condicionar seus próximos passos a contrapartidas de Havana.

 

Esta semana, os EUA levantaram as restrições às remessas e às viagens de cubano-americanos a Cuba e permitiram que empresas americanas de telecomunicações atuem na ilha. As medidas não relaxaram o embargo econômico adotado pelos EUA desde 1962, mas indicaram a intenção da Casa Branca de flexibilizá-lo. Ontem, jornais latino-americanos publicaram um artigo de Obama, conclamando os países da região a se unirem aos EUA "para apoiar a liberdade, a igualdade e os direitos humanos dos cubanos".

Tudo o que sabemos sobre:
CubaEUARaúl CastroBarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.