Cuba acusa EUA de descumprir acordo migratório

Segundo regime, atraso na emissão de vistos visa incentivar a imigração ilegal e provocar instabilidade

REUTERS

17 Julho 2007 | 13h16

Cuba acusou os Estados Unidos nesta terça-feira, 17, de não cumprirem os acordos migratórios firmados pelos dois países inimigos, atrasando a emissão de vistos com o objetivo de incentivar a imigração ilegal e provocar instabilidade na ilha caribenha. Segundo uma declaração da chancelaria cubana publicada no jornal Granma (do Partido Comunista Cubano, que controla o país), entre outubro de 2006 e junho de 2007, os primeiros nove meses do ano fiscal de Cuba, o governo norte-americano expediu apenas 10.724 vistos, ou 53,6 por cento do estipulado. "Há um atraso considerável na concessão de vistos pelos EUA, gerando um déficit em relação aos 20 mil vistos prometidos", afirmou o Ministério das Relações Exteriores de Cuba em um documento de segunda-feira, 16. Um acordo firmado em 1994 com o objetivo de frear a ida maciça de pequenas embarcações cubanas para os EUA prevê que os norte-americanos entregarão 20 mil vistos anuais. Em troca, Cuba deve controlar a saída ilegal de imigrantes. Segundo a chancelaria cubana, o atraso na emissão dos vistos alimenta o fluxo de ilegais, a instabilidade social, o crime, a violência e até as "mortes desnecessárias". "Teria isso relação com as recentes declarações do presidente Bush (George W. Bush, dos EUA), nas quais além de expressar seu desejo de ver morto o Comandante-em-Chefe (Fidel Castro) manifestou sua preferência por impor ''mudanças'' a Cuba?", perguntou a chancelaria. Segundo o órgão, qualquer instabilidade surgida em Cuba afetaria também os EUA. O governo norte-americano mostrou-se preocupado com um eventual novo êxodo maciço de cubanos, sobretudo depois da doença que acometeu Fidel e que o obrigou a se afastar do poder quase um ano atrás. Cuba acusa os EUA de estimular a imigração ilegal com leis que permitem a qualquer cubano estabelecer-se legalmente no território norte-americano caso consiga chegar ali. A Guarda Costeira dos EUA registrou nas últimas semanas um aumento no número de cubanos interceptados no mar. Cuba continuará "enfrentando" a imigração ilegal e cumprindo "cabalmente" os acordos migratórios firmados com os EUA, afirmou a chancelaria. O governo cubano calculou o número de vistos emitidos pelos EUA com base na quantidade de pessoas que deram início aos trâmites legais para sair do país nos primeiros nove meses do ano fiscal.

Mais conteúdo sobre:
MUNDO CUBA EUA VISTOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.