Cuba admite êxodo de professores devido a baixos salários

Falta de moradia, transporte e roupas, entre outros fatores, teriam motivado a mudança de carreira

Reuters,

24 de outubro de 2007 | 15h50

Cuba reconheceu nesta quarta-feira, 24, que seu sistema público de educação está sendo vítima de um "êxodo" de professores devido aos baixos salários, às más condições de moradia e até por falta de roupa. O ministro da Educação, Luis Ignácio Gomez, falou sobre a fuga de professores na audiência de uma comissão da Assembléia Nacional.   "Ele reconheceu que entre as causas do êxodo estão o salário insuficiente, em desacordo com a intensidade e a responsabilidade do trabalho dos professores", disse o jornal Granma, do Partido Comunista.   O ministro citou a "falta de moradia, transporte e roupas" entre os problemas enfrentados pelos professores cubanos. Também disse que os professores estão insatisfeitos com o "pequeno reconhecimento" que recebem pelo trabalho.   Cuba costuma se orgulhar de seu sistema de educação gratuito, que, junto com o programa de assistência à saúde, é a principal conquista da ilha depois da revolução liderada por Fidel Castro em 1959.   Mas a crise econômica que afetou a ilha depois do colapso da União Soviética teve seu preço. Muitos professores abandonaram a atividade para trabalhar em empregos mais bem remunerados no setor turístico, e o governo teve de recorrer a professores jovens para suprir o déficit.

Tudo o que sabemos sobre:
Cuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.