Franklin Reyes/AP
Franklin Reyes/AP

Cuba autoriza agricultor a vender diretamente ao setor turístico

Reforma é mais uma promovida pelo governo de Raúl Castro para 'atualizar' o modelo econômico cubano

Reuters

21 de novembro de 2011 | 12h40

HAVANA - Agricultores cubanos poderão vender produtos diretamente para empresas que atendam turistas, relatou a mídia estatal nesta segunda-feira, 21, ao anunciar a mais recente reforma da série que o governo de Raúl Castro vem promovendo nos últimos meses para atualizar o modelo econômico do país.

 

Veja também:

tabela HOTSITE: Reformas em Cuba

 

O jornal do Partido Comunista, Granma, informou que a mudança, que entra em vigor em 1º de dezembro, visava melhorar a variedade e qualidade da comida para o setor turístico, cortando custos de transporte e assim reduzindo a perda de alimentos que prejudicou o país por causa da ineficiência em levar os produtos colhidos para o mercado. As mudanças vão permitir o desenvolvimento de maneira a "aproveitar melhor as potencialidades... na escala local", disse o jornal.

O turismo é uma das mais importantes fontes de moeda estrangeira de Cuba, com 2,7 milhões de visitantes esperados na ilha caribenha este ano, mas a comida e o serviço fracos são frequentemente citados como razões para os turistas irem apenas uma vez e não retornarem.

As novas regras representam um rompimento com o passado ao reduzirem o papel do Estado como mediador na obtenção de produtos agrícolas pela indústria do turismo e permitir que compradores e vendedores definam seus próprios preços.

Recentemente, outra decisão permitiu que os cubanos agissem de forma mais livre na compra e venda de moradias e carros, itens que eram severamente controlados desde que Fidel Castro assumiu o poder na revolução de 1959.

O presidente Raúl Castro, que sucedeu o irmão mais velho em 2008, está tentando reviver a economia cubana para assegurar a sobrevivência do comunismo quando a geração atual de líderes não existir mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.