Cuba deve manter dignidade, pede presidente do Parlamento

Para Ricardo Alarcón, compatriotas devem tornar o país mais justo, livre, independente e soberano

Efe,

20 de fevereiro de 2008 | 01h11

O presidente da Assembléia Nacional do Poder Popular de Cuba, Ricardo Alarcón, pediu nesta terça-feira, 19, a seus compatriotas que "mantenham a dignidade da pátria" e a tornem mais justa, livre, independente e soberana. É a primeira declaração de um alto funcionário do regime após a renúncia de Fidel Castro. "Devemos comprometer-nos com ele de que seremos capazes de manter em alta a dignidade desta pátria, de tornar esta pátria cada vez mais justa, mais livre, mais independente, mais soberana, mais formosa", disse Alarcón. O líder parlamentar fez estes pedidos em discurso em Havana, em homenagem aos melhores desportistas cubanos do ano de 2007. "É preciso reconhecer aquele que mais fez pelo esporte cubano (Castro), o homem do qual surgiu esta idéia maravilhosa que transformou o esporte realmente em um direito de todos, e que fez com que neste campo, assim como em muitos outros, nosso país tenha acumulado e ainda acumule tantas glórias", afirmou. Na primeira reação dos meios de comunicação cubanos, todos oficiais, perante o anúncio de Castro, um editorial do programa de televisão "Mesa Redonda" afirmou que todos os cidadãos da ilha receberam a notícia "com um misto de tristeza e orgulho". "Hoje todos despertamos estremecidos com a mensagem do comandante-chefe, anunciando que não aspirará nem aceitará os cargos de presidente do Conselho de Estado e comandante-chefe na Assembléia Nacional (do próximo domingo)", disse o editorial.

Tudo o que sabemos sobre:
CubarenúnciaFidel Castro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.