Cuba diz que 90% foram às urnas, mesmo sem voto obrigatório

O governo cubano comemorou nasegunda-feira o índice de 90 por cento de comparecimento àsurnas nas eleições municipais do fim de semana, em que o votonão era obrigatório. Os números foram considerados umamanifestação de apoio ao sistema socialista e de rejeição àpressão dos Estados Unidos. As eleições de domingo, em que os candidatos nãorepresentaram partidos e não puderam fazer campanha, deraminício a um processo de renovação de autoridades que, em marçode 2008, dissipará as dúvidas sobre o futuro político do líderFidel Castro, afastado do poder desde que adoeceu, há um ano etrês meses. "Eleições: Nova demonstração de maturidade e culturapolítica de nosso povo", afirmou a manchete do Granma, jornaldo Partido Comunista. Embora em Cuba o voto não seja obrigatório, a imprensaoficial disse que mais de 90 por cento dos maiores de 16 anosforam às urnas no domingo para eleger mais de 15 milvereadores. Os resultados serão anunciados na segunda-feira. "A conjuntura em que acontecem estas eleições é essencialpara não deixar dúvidas sobre a união de nosso povo e a solidezda continuidade da revolução sob a condução do Partido", disseo semanário Trabajadores, da Central de Trabalhadores de Cuba. Fidel, 81, mandou seu voto em um envelope lacrado da casaem que se recupera desde que adoeceu e passou o poder ao irmãoRaúl. Não houve imagens de Fidel, mas Raúl apareceu conversandoanimado com crianças e eleitores na hora de votar. Numa mensagem enviada do local não-revelado ondeconvalesce, Fidel criticou o presidente norte-americano, GeorgeW. Bush, que na quarta-feira deve anunciar novas medidas contraCuba. "Não se negocia a soberania...Suas ameaças nunca nosintimidarão", escreveu Fidel. O ciclo eleitoral aberto com a eleição de domingo seencerrará em março de 2008, com a eleição do presidente doConselho de Estado, cargo que Fidel ocupa há 30 anos. Uma nova legislatura do Parlamento terá de decidir seFidel, que não aparece em público desde julho de 2006, está ounão em condições de ser ratificado no posto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.