Cuba diz que fim das sanções da UE é 'passo na direção certa'

Governo cubano afirma que 'avaliará com calma' a decisão do bloco de reatar as relações diplomáticas com a ilha

Reuters,

20 de junho de 2008 | 15h15

A decisão da União Européia de suspender as sanções contra Cuba parece ser "um passo na direção certa", mas ainda deve ser avaliada totalmente, disse o ministro das Relações Exteriores cubano, Felipe Perez Roque. Os ministros das Relações Exteriores da União Européia concordaram em dar fim às sanções diplomáticas que, apesar de suspensas desde 2005, impediam a normalização das relações entre a ilha comunista e o bloco europeu.   Veja também: União Européia suspende sanções contra Cuba   "Se aconteceu (como aparece no noticiário), acho que sim, é um passo na direção certa", disse Perez Roque à Reuters na quinta-feira à noite, durante uma recepção para o presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, que visita a ilha.   "Vimos a notícia, mas avaliaremos a questão com calma, sabendo da decisão oficial e, no momento apropriado, vamos reagir de forma oficial", disse.   O documento, aprovado em Bruxelas depois de tortuosas negociações, será publicado na segunda-feira, Perez Roque diz que só então Cuba vai determinar sua posição.   Com a eliminação das sanções, impostas em 2003 em resposta à prisão de 75 dissidentes, a União Européia quer encorajar as reformas implementadas pelo novo presidente, Raúl Castro, desde que assumiu o lugar do irmão Fidel, em fevereiro.   Entretanto, a UE deixou claro que quer ver melhoras nos direitos humanos e espera que mais prisioneiros políticos sejam libertados em Cuba. O bloco informou que vai rever sua decisão daqui a um ano. Perez Roque disse que Cuba não aceitará nenhuma pressão vinda da UE.       "Nossa posição sempre foi bastante firme, que uma retificação por parte da UE era necessária, que sem ela seria impossível negociar com eles, porque Cuba não aceita negociar sob pressão ou com imposições", concluiu o ministro.  

Mais conteúdo sobre:
CubaUEsanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.