Cuba enviará 165 profissionais da saúde para combate ao Ebola na África

Cuba enviará 165 profissionais da saúde para combate ao Ebola na África

Os primeiros trabalhadores começarão a chegar a Serra Leoa no início de outubro, segundo ministro da Saúde

REUTERS

12 de setembro de 2014 | 08h18

Cuba enviará 165 profissionais da área da saúde à África Ocidental para ajudar na luta contra a pior epidemia mundial de vírus Ebola, disse nesta sexta-feira o ministro de Saúde Pública do país, Roberto Morales Ojeda.

Em uma entrevista à imprensa na sede da Organização Mundial de Saúde (OMS), em Genebra, Ojeda disse que os primeiros trabalhadores de seu país começarão a chegar a Serra Leoa no início de outubro.

Mais de 2.400 pessoas morreram na África Ocidental por causa de Ebola, no pior surto da doença registrado até hoje. A epidemia atingiu Libéria, Serra Leoa e Guiné desde que começou, em março, e também chegou à Nigéria e ao Senegal.

A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, saudou o compromisso de Cuba, dizendo que vai fazer uma "diferença significativa" em Serra Leoa.

"Se vamos para a guerra contra o Ebola, precisamos de recursos para lutar", disse ela. "Cuba é mundialmente famosa por sua capacidade de formação de médicos e enfermeiros, por sua generosidade excepcional em ajudar outros países no caminho para o progresso."

O pessoal cubano incluirá médicos, enfermeiros, epidemiologistas, especialistas em controle de infecção em cuidados intensivos e profissionais de mobilização social.

(Reportagem de Kate Kelland)

Mais conteúdo sobre:
CUBAEBOLAAFRICAMEDICOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.