Cuba estima prejuízo total por embargo dos EUA em US$116,8 bi

As sanções econômicas dos Estados Unidos contra Cuba custaram ao país 3,9 bilhões de dólares no comércio exterior no ano passado, ajudando a elevar a estimativa global dos prejuízos econômicos para 116,8 bilhões de dólares ao longo dos últimos 55 anos, disse Cuba nesta terça-feira.

DANIEL TROTTA, REUTERS

09 de setembro de 2014 | 19h29

Os números foram publicados em um relatório que Cuba prepara para a Organização das Nações Unidas a cada ano ao pedir uma resolução para acabar com o abrangente embargo econômico dos EUA e outras sanções contra o governo comunista de Cuba.

As Nações Unidas aprovaram a resolução por 22 anos consecutivos com esmagador apoio. No ano passado, a votação foi de 188 a 2, com apenas os Estados Unidos e Israel votando contra a resolução.

Embora muitos aliados dos EUA se juntem a Washington para criticar o sistema de partido único de Cuba e a repressão de opositores políticos, os norte-americanos perderam quase todo o suporte internacional para o embargo desde o colapso da União Soviética. Nenhuma outra nação, além dos Estados Unidos, tem um embargo econômico contra Cuba.

Cuba, por sua vez, usa o embargo para conter o descontentamento interno com uma economia estagnada.

"Não existe, e não tem havido no mundo, tamanha violação aterrorizante e vil dos direitos humanos de todo um povo do que o bloqueio liderado pelo governo dos EUA contra Cuba há 55 anos", disse o vice-ministro de Relações Exteriores, Abelardo Moreno, a jornalistas.

Depois que Fidel Castro chegou ao poder em Cuba em 1959, os Estados Unidos impuseram sanções iniciais em 1960 e, em seguida, um embargo total em 1961.

Mais conteúdo sobre:
CUBAPREJUIZOEMBARGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.