Cuba faz consultas que determinarão futuro político de Fidel

Deputados eleitos decidem se reconduzem ao poder líder que abandonou chefia de Estado há 18 meses

Esteban Israel, da Reuters, REUTERS

25 de janeiro de 2008 | 16h00

Autoridades cubanas vão realizar, a partir da próxima semana, consultas para eleger um candidato a chefe de Estado, cargo que o convalescente líder Fidel Castro ocupa desde 1976, informou a imprensa oficial nesta sexta-feira, 25. Fidel diz que pensou que iria morrer em 2006 Fidel conta que fez correções em biografia à beira da morte  Uma Comissão de Candidaturas, integrada por representantes de organizações oficiais de massa, entrevistará os 614 deputados eleitos no domingo passado para escutar suas opiniões sobre uma lista única. "O princípio da consulta será inviolável", disse a presidente da Comissão Nacional de Candidaturas, Amarilys Perez, ao Granma, o diário ligado ao Partido Comunista. "No final da próxima semana iniciaremos as entrevistas pessoais. Vamos sentir o pulso de cada um para chegar a avaliações coletivas", acrescentou. A Comissão de Candidaturas deverá submeter à votação do Parlamento, em 24 de fevereiro, uma lista de 31 candidatos a igual número de postos no Conselho de Estado. Nesse dia se saberá se Fidel, que há 18 meses transferiu o poder a seu irmão Raúl por questões de saúde, será ratificado como chefe de Estado ou se finalmente deixará a vida política da ilha. A eleição de Fidel ao Parlamento no fim de semana deixou aberta a possibilidade para que o reconduzam ao poder apesar de sua prolongada ausência. Em dezembro, Fidel, de 81 anos, escreveu que não se apegará ao poder nem obstruirá o caminho a líderes mais jovens. O presidente do Parlamento, Ricardo Alarcón, desenhou esta semana um dos possíveis cenários. Um dos homens mais próximos a Fidel, Alarcón disse ao The New York Times que o veterano líder será nominado chefe de Estado em 24 de fevereiro, mas "terá direito a dizer sim ou não".

Tudo o que sabemos sobre:
CubaFidel Castro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.