Cuba importará US$ 130 milhões em insumos para o setor privado

Segundo a imprensa estatal, um terço do valor será destinado à compra de alimentos para a ilha

REUTERS

26 de novembro de 2010 | 15h49

  Cartaz lembra desembarque do Granma, que deu início à guerrilha de Fidel. Desmond Boyle/Reuters

HAVANA - Cuba importará no ano que vem US$ 130 milhões de dólares em matéria-prima e equipamentos para apoiar a expansão do setor privado, informou a imprensa estatal nesta sexta-feira, em mais uma etapa das reformas econômicas do presidente Raúl Castro.

O governo começou a emitir em outubro 250 mil novas licenças para pequenos negócios privados, com o fim de absorver parte dos 500 mil funcionários públicos que serão demitidos para reduzir o tamanho do Estado.

Mas as autoridades, que monopolizam as importações, advertiram que a precária situação econômica não lhes permitirá criar um mercado atacadista de insumos no curto prazo.

"O país destinará US$ 130 milhões para a importação de recursos destinados a assegurar o trabalho por conta própria," disse o site na Internet do jornal Granma, do governista Partido Comunista.

"Trata-se de garantir que a obtenção (de insumos) não seja um obstáculo para o trabalho por conta própria," acrescentou.

Cuba, que depende fortemente das importações, tem se esforçado para reduzir nos últimos anos seu déficit comercial. O abastecimento, no entanto, é crucial para o êxito das reformas.

O Granma disse que quase um terço dos US$ 130 milhões será destinado à importação de alimentos. Mas o plano inclui também ferramentas e equipamentos como congeladores, cafeteiras, batedeiras e máquinas para fazer suco.

Além disso, as autoridades esperam quadruplicar as vendas de insumos no setor agropecuário, peça-chave na estratégia de Castro para reduzir as compras do exterior e reativar a economia.

"O plano da economia para o próximo ano considera um gradual reforço e reestruturação da oferta de bens na rede varejista," disse ao Granma o diretor de Comércio do Ministério da Economia, Enrique Ramos.

A redução do peso do Estado e a ampliação do setor privado é uma das maiores reformas econômicas introduzidas em Cuba em décadas.

O governo batizou o processo de "atualização" do modelo socialista cubano.

(Reportagem de Nelson Acosta)

Tudo o que sabemos sobre:
CubaReformas em Cuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.