Cuba liberta dissidentes do grupo Damas de Branco

Cerca de 70 cubanas do grupo dissidente Damas de Branco -- que haviam sido detidas no fim de semana -- foram libertadas depois de uma prisão temporária, disse na segunda-feira uma das envolvidas. Entre as detidas, 18 participam de uma marcha semanal de protesto.

REUTERS

19 de março de 2012 | 15h38

O caso aconteceu a uma semana da visita do papa Bento 16 a Cuba. Os grupos de oposição ao governo socialista têm acirrado suas ações públicas e pedem para ser recebidos pelo sumo pontífice a fim de exigir melhorias nas questões de direitos humanos.

"Todas as Damas de Branco estamos em nossas casas desde a noite de domingo. Queremos que o Santo Padre nos conceda ainda que seja um minuto", disse Laura Labrada Pollán, filha da falecida líder do grupo.

O papa Bento 16, de 84 anos, visitará a ilha entre 26 e 28 de março em uma viagem que coincide com as celebrações pelo 400o aniversário do achado da imagem da Nossa Senhora da Caridade do Cobre, a padroeira de Cuba, e considerada o ícone religioso mais popular do país.

A autoridade máxima da Igreja Católica chegará procedente do México. Em sua estada em Cuba ministrará duas missas e será recebido pelo presidente Raúl Castro, 14 anos depois da viagem do falecido João Paulo 2o a Havana.

As Damas de Branco, que foram colocadas no domingo em ônibus pela polícia, é um grupo opositor formado inicialmente por mães e mulheres de 75 presos políticos condenados em março de 2003 a penas que vão de 6 a 28 anos de prisão, em meio a uma ofensiva do governo contra a dissidência.

Nesse fim de semana, prestavam homenagem aos prisioneiros políticos no nono aniversário de sua prisão. Todos os presos do grupo dos 75 foram soltos e a maioria viajou para a Espanha com a família, como parte de um acordo inédito entre o governo e a Igreja Católica.

"O grupo seguirá marchando semanalmente pedindo a libertação de todos os presos políticos com ânimo e espírito de valentia", disse Labrada por telefone à Reuters.

Os Estados Unidos criticaram as detenções e disseram que isso era uma mostra do "desprezo" das autoridades aos direitos humanos do povo cubano.

(Reportagem de Nelson Acosta)

Tudo o que sabemos sobre:
CUBADAMASDEBRANCO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.