Cuba pode resistir ao embargo 'mais meio século', diz Raúl

Presidente exalta a capacidade do povo cubano para confrontar o governo americano

Agência Estado e Associated Press,

08 de dezembro de 2008 | 09h43

O presidente Raúl Castro disse no domingo, 7, que Cuba resistiu ao embargo comercial de Washington durante quase 50 anos e está pronta para "resistir mais meio século", se necessário. Os comentários soaram como um leve desafio aos Estados Unidos, no momento em que o presidente eleito Barack Obama aumentou as expectativas sobre uma possível aproximação entre os países. As declarações de Raúl foram dadas em meio a uma reunião de membros em um encontro entre Cuba e países da Comunidade do Caribe (Caricom), em Santiago, cidade do leste cubano. A principal intenção do encontro era discutir o fomento ao turismo, em meio à crise econômica mundial. Raúl e os líderes do Caribe dialogarão nesta segunda-feira a portas fechadas, a fim de analisar a forma de manter as viagens dos turistas estrangeiros, apesar da desaceleração econômica. Também serão discutidas as mudanças climáticas, os serviços de saúde e os crescentes preços dos alimentos. Além disso, haverá uma homenagem especial ao ex-presidente cubano Fidel Castro, de 82 anos. Afastado do poder após ficar doente, Fidel não aparece em público desde julho de 2006, quando foi submetido a uma cirurgia no intestino. Raúl exaltou a capacidade de resistência do povo cubano. "Mais de 70% da população nasceu sob as pressões norte-americanas, por isso nem as pressões do embargo, nem os furacões nos dividirão nem nos vencerão", afirmou o líder cubano, irmão de Fidel. Cuba enfrentou três fortes furacões neste ano, que devastaram partes da ilha, provocando prejuízos de mais de US$ 100 milhões. O governo comunista afirma não ter a intenção de se filiar ao Caricom, mas recebe seus líderes pela terceira vez. Fidel não deve estar presente na cerimônia em sua homenagem. Raúl, de 77 anos, foi nomeado formalmente presidente de Cuba em fevereiro, após ficar desde o afastamento do irmão como interino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.