Cuba precisa de reformas para EUA aliviarem embargo, diz Obama

Os Estados Unidos estão prontos para mudar sua política com relação a Cuba, mas ainda não viram medidas por parte de Havana que justifiquem a suspensão do embargo, disse o presidente norte-americano, Barack Obama, nesta quarta-feira.

REUTERS

28 Setembro 2011 | 21h36

Obama afirmou que não quer ficar "preso à mentalidade da Guerra Fria" e que Washington tem buscado melhorar os laços, mudando as regras relacionadas às remessas e às viagens, mas espera por sinais de Cuba, como a libertação de prisioneiros políticos e garantias aos direitos humanos fundamentais.

Ele pediu que a ilha do Caribe, sob embargo há cinco décadas, una-se à onda de mudança democrática que varre o mundo árabe e que derrubou boa parte dos governantes autoritários da América Latina nas últimas décadas.

"Chegou a hora para que a mesma coisa aconteça em Cuba", disse Obama em uma sessão de perguntas e respostas com a mídia hispânica dos EUA. "Se virmos um movimento positivo, responderemos de forma positiva."

Em Brasília, o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, disse nesta quarta-feira a repórteres que as afirmações de Obama são "antigas e repetitivas."

Rodríguez afirmou que Cuba mantém seu compromisso de normalizar as relações com os EUA, mas que Washington não respondeu aos esforços cubanos de cooperação no combate ao narcotráfico, terrorismo e desastres naturais.

"Há sempre um abismo entre o discurso do presidente Obama e a realidade", disse Rodríguez.

O ex-líder cubano Fidel Castro acusou Obama na segunda-feira de fazer um discurso confuso na Organização das Nações Unidas (ONU) e disse que as ações da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na Líbia eram um "crime monstruoso."

(Reportagem de Matt Spetalnick, em Washington; e de Hugo Bachega, em Brasília)

Mais conteúdo sobre:
CUBA OBAMA REFORMAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.