Cuba promove novas políticas salariais em empresas estatais

O governo de Cuba quer que as companhias estatais adotem novas políticas salariais a partir de 2009, o que permitiria que funcionários e gerentes fossem remunerados de acordo com seus resultados, informou a imprensa local nesta quinta-feira, enquanto o presidente Raúl Castro procura elevar o rendimento econômico. O Ministério do Trabalho, junto aos principais assessores militares de Castro, divulgou instruções a gerentes nesta semana sobre como eles devem designar o novo sistema, disse o principal comentarista econômico de Cuba, Ariel Terrero, na televisão estatal. O novo sistema, que as autoridades queriam inicialmente aplicar a partir de agosto, deverá ser discutido pelos trabalhadores antes de dezembro. Atualmente existem em Cuba poucas diferenças na escala salarial, o que faz com que quem trabalhe pouco ganhe quase o mesmo que alguém que trabalhe muito. O novo plano irá substituir o atual sistema igualitário por um baseado nos resultados. O salário médio em Cuba é equivalente a 17 dólares mensais, mas os cubanos recebem alimentos e serviços subsidiados como o transporte, a saúde e a educação, além de, em alguns casos, bônus coletivos. Em Cuba, o Estado controla mais de 90 por cento da economia. "O que estamos buscando é colocar freio de maneira firme a estes conceitos igualitários que são nefastos para a economia, que são nefastos para o socialismo e que causaram mais danos que benefícios em todos esses anos", disse Terrero.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.