Cuba recusa ajuda e pede suspensão de embargos para os EUA

Havana sugere diminuir restrições por 6 meses para se recuperar dos danos causados pelos furacões

Associated Press,

15 de setembro de 2008 | 01h18

O governo cubano voltou a recusar neste domingo, 14, uma oferta norte-americana de 100 mil dólares para recuperar os danos causados pelos furacões Ike e Gustav. Cuba sugeriu que Washington diminua as restrições financeiras contra a ilha durante seis meses, permitindo assim que o país adquira os materiais necessários para a reconstrução. A chancelaria cubana afirmou para os jornalistas da imprensa internacional que entregou a mensagem para o Departamento de Estado na noite deste domingo através de sua Seção de Interesses em Washington. Cuba quer "comprar os materiais indispensáveis que as empresas norte-americanas exportam aos mercados, e solicita a autorização para a provisão dos mesmos, assim como dos créditos que são normais em todas as operações comerciais", diz a nota divulgada em Havana. "Se Washington não deseja fazê-lo definitivamente, Cuba pede que pelo menos a autorize durante os próximos seis meses, especialmente se for levado em conta os danos causados pelos furacões Gustav e Ike", acrescenta a nota. É a primeira vez que Cuba diz diretamente que não aceita a ajuda do governo dos Estados Unidos. Anteriormente, Havana se negou a aceitar uma oferta de Washington para mandar para a ilha uma equipe de avaliação de desastres. Também é a primeira vez que o governo cubano menciona o período de seis meses para suspensão do embargo. O comunicado indica que Cuba não pode aceitar uma doação de um governo que lhe aplica um embargo comercial, ainda que esteja disposto a adquirir materiais indispensáveis de companhias norte-americanas.

Tudo o que sabemos sobre:
CubaIkeGustavfuracão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.