Cúpula América Latina-UE não fixa metas para combater pobreza

O documento se limitou a declarações de boas intenções

EFE,

17 de maio de 2008 | 02h13

Os ambiciosos objetivos fixados pela 5ª Cúpula América Latina-Caribe-União Européia (EU-LAC, na sigla em inglês), em Lima, para combater a pobreza e a desigualdade foram estabelecidos em uma extensa declaração repleta de compromissos de boa vontade, mas sem metas definidas ou números de investimento para atenuar dois dos mais graves problemas dos latino-americanos. A declaração final do encontro recolhe o compromisso das partes de aumentar sua relação e de trabalhar pelo cumprimento dos objetivos comuns. Como novidade, a Cúpula abriu o caminho para a criação de uma Fundação permanente para "estimular" e "aumentar a visibilidade" da cooperação entre os países destas regiões. Além disso, o texto incluiu o lançamento de um programa conjunto contra a mudança climática, batizado de "Euroclima", que permitirá compartilhar conhecimentos e coordenar as ações contra o aquecimento global. No entanto, na luta com a pobreza e a exclusão social, o documento se limitou a declarações de boas intenções, apesar da sensível situação da América Latina, uma região com mais de 200 milhões de pobres, e que não conseguiu reduzir os níveis de exclusão social.

Tudo o que sabemos sobre:
Cúpula América Latina-UE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.