Cúpulas militares de Equador e Colômbia se reunirão no Panamá

O Equador anunciou na terça-feira que areunião entre as cúpulas militares desse país e da Colômbiaacontecerá no Panamá, por questões logísticas. O encontro dequarta-feira, destinado a reativar programas de segurança econtrole fronteiriço, apear da atual crise diplomática, estavaanteriormente marcado para a Costa Rica. "A mudança de sede foi decidida em consultas com a OEA(Organização dos Estados Americanos) e Colômbia, por razões deordem logística", disse a chancelaria equatoriana em nota. As autoridades equatorianas dizem que essa reaproximaçãomilitar restabelecerá a "cartilha de segurança" que foisuspensa por causa da incursão militar colombiana do começo demarço em território equatoriano, num ataque a um acampamento daguerrilha Farc que provocou mais de 20 mortes. O Equador viu nesse incidente uma violação da suasoberania, resultando no rompimento de relações diplomáticas eem uma grave crise política na região. Desde então, foramregistrados vários incidentes na fronteira comum de cerca de600 quilômetros. "Evidentemente houve violações da fronteira, e em cadaocasião fizemos o que cabia", disse a chanceler equatoriana,María Isabel Salvador, à imprensa local. Em meio aos preparativos para a reaproximação, o Exércitoequatoriano informou ter achado material bélico e doiscomputadores em um povoado da província de Esmeraldas, próximoà fronteira. Os militares não especificaram se o materialpertencia a algum grupo ilegal. A "cartilha de segurança" a ser retomada no Panamáestabelece os procedimentos a serem seguidos pelos militaresequatorianos e colombianos em caso de incidentes na fronteira. A OEA atualmente realiza uma missão para promover aretomada das relações formais entre os dois países. A entidadejá apontou que houve de fato violação da soberania equatorianano incidente de março. (Por Alexandra Valencia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.