Danos do terremoto podem chegar a US$ 30 bilhões, diz Chile

Cerca de dois milhões de chilenos foram afetados; autoridades estimam que 500 mil construções sofreram danos

Associated Press,

12 de março de 2010 | 12h27

O governo do Chile anunciou nesta sexta-feira, 12, que os danos causados pelo terremoto que atingiu o país no final de fevereiro foram inicialmente avaliados em US$ 30 bilhões, segundo o ministério do Tesouro. Mais cedo, o presidente eleito, Sebastián Piñera, prometeu sem descanso para reconstruir seu país.

 

Mais sobre os danos:

linkTerremoto deixou déficit de 300 mil casas, diz Piñera

 

Os custo dos danos estimado pelo ministro do Tesouro, Felipe Larrain, foi de US$ 30 bilhões, embora esse seja um cálculo inicial. As autoriades estimam que cerca de dois milhões de chilenos foram afetados pelo tremor - cerca de um oitavo da população do país. Além disse, ao menos 500 mil construções foram danificadas. As regiões mais afetadas foram Maule e Bío Bío, esta última onde fica a cidade de Concepción, a segunda maior do país.

 

Em suas primeiras aparições como presidente,

VEJA TAMBÉM:
especialEntenda o terremoto no Chile
especialOs piores terremotos desde 2000
mais imagens Galeria de fotos sobre a tragédia
lista Tudo o que foi publicado
Piñera repetidamente pediu coragem aos chilenos para reerguer o país. "Vamos secar as lágrimas e começar a trabalhar. Estou certo de que, assim como fizemos várias outras vezes, venceremos esse desafio", disse o presidente, que assumiu o governo na quinta-feira. Durante a cerimônia de posse, houve fortes réplicas do terremoto de fevereiro.

 

Segundo Piñera, todos os chilenos, mesmo aqueles que não foram afetados diretamente pelo terremoto, são sobreviventes da tragédia. "Todo homem, toda mulher, criança, todos desse país são bandeiras recuperadas das ruínas. Poderíamos estar destruídos pela dor e pelo sofrimento, mas jamais desistiremos", disse o presidente.

 

Piñera prometeu que gastaria bilhões para "fazer do Chile o melhor país do mundo", acelerando o crescimento econômico, criando um milhão de empregos e combatendo o crime. Ele também garantiu que manterá os programas sociais que fizeram com que sua antecessora, Michelle Bachelet, deixasse o poder com 84% de aprovação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.