Decisão do Tribunal de Haia sobre Sudão inquieta o Brasil

No Itamaraty, prevalece a avaliação de que Justiça desconsiderou a complexidade do quadro político no país

Denise Chrispim Marin, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2009 | 08h26

O governo brasileiro teme que a ordem de prisão do presidente do Sudão, Omar al-Bashir, reacenda conflitos internos potencialmente mais graves que o de Darfur. A decisão do Tribunal Penal Internacional (TPI) causou inquietação em Brasília. No Itamaraty, prevalece a avaliação de que o tribunal desconsiderou a complexidade do quadro político do Sudão e, ao determinar a prisão de Bashir, expôs o país ao risco de retomada de uma violenta guerra civil.   Veja também: Especial: os conflitos no Sudão e a crise em Darfur  Blog: Darfur, enfim, tem um réu. E agora, Lula?  Perfil: Militares e fundamentalistas levaram Bashir ao poder  TV Estadão: Google Earth mostra devastação no Sudão   O conflito em Darfur tem motivação étnica e tribal, e surgiu com o processo de desertificação da região, no início da década. Por enquanto, o Itamaraty silencia sobre o caso. De um lado, o País - única nação latino-americana que tem uma embaixada no Sudão - sempre foi entusiasta do fortalecimento do TPI. De outro, não poderá se manter omisso às críticas dos países africanos e árabes - que se opõem à condenação - por causa da prioridade dada à diplomacia brasileira a essas regiões e do objetivo de alçar o Brasil a uma vaga permanente no Conselho de Segurança da ONU.   Signatário e entusiasta do TPI, o Brasil acatará a decisão. Ou seja, em última instância, o País se compromete a prender Bashir, caso o presidente sudanês pise em território nacional. Mas, informalmente, tende a apoiar os líderes africanos e árabes que, em peso, contestaram o veredicto. "Mesmo com todas as atrocidades cometidas, a guerra do Darfur foi um conflito entre tribos nômades pastoris e sedentárias agrícolas. Todos eram islâmicos", explicou um especialista do governo. "Certamente, será menos grave que um novo conflito separatista entre o Sul e o Norte, que será inevitavelmente marcado por diferenças religiosas e étnicas e por interesses nas zonas petrolíferas do centro do país", completou.   O governo brasileiro, por enquanto, não se moveu, na expectativa de que o quadro torne-se mais claro depois de uma esperada manifestação do Conselho de Segurança. Por pressão direta da Rússia e da China e a pedido de países árabes e africanos, o Conselho poderá interferir na decisão do TPI, como prevê o próprio estatuto do Tribunal.   Mas a reação da União Africana e da Liga Árabe à decisão do TPI colocou o Brasil em uma situação política delicada. De um lado, o governo brasileiro sempre foi entusiasta do fortalecimento do TPI. De outro, não poderá se manter omisso às críticas dos países africanos e árabes, em função da prioridade conferida pela política exterior brasileira a essas regiões e do objetivo de alçar o Brasil ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), como membro permanente. A União Africana e a Liga Árabe, juntas, somam 65 votos dos 128 votos necessários na Assembleia Geral para a aprovação de qualquer proposta de reforma do Conselho. As negociações sobre o tema estão em curso desde fevereiro na ONU.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoDarfurBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.