Deputado refém das Farc pede asilo político à Venezuela

Sigifredo López, seqüestrado há mais de cinco anos, faz pedido em vídeo a Chávez para facilitar sua libertação

Efe,

23 de junho de 2008 | 14h53

O ex-deputado colombiano Sigifredo López, refém da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) há mais de cinco anos, solicitou a condição de refugiado político ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, para facilitar sua libertação junto ao grupo rebelde, confirmou nesta segunda-feira, 23, sua esposa, Patricia Nieto. Veja também:Vídeo mostra refém seqüestrado em 2002 pelas FarcUribe reitera disposição de troca com as FarcPor dentro das Farc Histórico dos conflitos armados na região   A esposa do único sobrevivente do grupo de 12 deputados seqüestrados em 2002 e mortos em cativeiro em 2007, rejeitou as insinuações de que as Farc teriam forçado seu marido a fazer o pedido à Venezuela, nas provas de vida divulgadas este fim de semana. "Com um grupo de amigos, começarei a construir esse pedido de refúgio político com a Venezuela", disse Nieto.  O ex-deputado o pedido em um vídeo, datado de 30 de março de 2008, que a guerrilha entregou no fim de semana à Igreja Católica, mas que só pôde ser divulgado na noite de domingo, pois "foi achado em uma pasta diferente da que havia sido encontrada a primeira prova de vida, divulgada no sábado." "Ao senhor presidente da irmã República da Venezuela, Hugo Chávez, para que em consideração por minha situação de seqüestrado indefeso tente salvar minha vida concedendo a condição de refugiado político em seu país ", diz López, no segundo vídeo. A esposa do dirigente político seqüestrado se disse "feliz" ao conhecer a data em que foi gravado o vídeo, há menos de três meses, e assegurou que o refúgio político na Venezuela pode ser "uma alternativa para a libertação de López."

Mais conteúdo sobre:
FarcColômbiaVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.