Deslizamento na Colômbia mata 19 pessoas

Pelo menos oito pessoas continuam desaparecidas em Medellín, cidade onde acontece a assembléia da OEA

Efe,

02 de junho de 2008 | 01h27

As vítimas fatais do deslizamento que afetou um bairro da cidade de Medellín já são 19 e outras oito pessoas continuam desaparecidas, disseram neste domingo, 1, as autoridades da Colômbia. No começo da noite deste domingo, os organismos de socorro recuperaram à vítima de número 19, uma mulher, que da mesma forma que as outros mortos, faleceu ao ser soterrada pelo deslizamento quando estava em sua casa. Cenas de profunda dor foram registradas ao longo das horas que se seguiram aos intensos trabalhos de busca, nos quais cerca de 400 pessoas dos organismos de socorro e segurança realizam para encontrar os desaparecidos. Um dos momentos mais dramáticos foi vivido quando as equipes de resgate encontraram o corpo do adolescente César Augusto Zapata, para quem seus pais tinham preparado uma festa para a comemoração de seus 15 anos. Seu pai, César Arbey Zapata, disse que ali não somente ficava sepultada sua casa, mas também seu coração, assegurando no meio de sua dor que "tinha entregado seu filho a Deus". As tarefas de remoção da terra que causou a tragédia podem demorar três dias, informou a Polícia Metropolitana de Medellín, que se juntou aos trabalhos com 300 agentes, enquanto que o Exército mantém ali 30 soldados. A tragédia aconteceu no sábado de manhã em El Socorro, um bairro da populosa Comuna 13 de Medellín e foi causada por um deslizamento de terras que arrastou e soterrou 18 casas e avariou várias. O número de possíveis desaparecidos se relaciona a alertas de parentes e vizinhos que foram recebidos pelo Sistema Municipal de Prevenção e Atenção de Desastres (Simpad, na sigla em espanhol), que coordena as tarefas na região atingida pelo deslizamento de terras. "As pessoas hospitalizadas estão aparentemente bem", declarou à imprensa o prefeito de Medellín, Alonso Salazar, durante uma visita a El Socorro. Salazar afirmou que as forças de socorro ficarão no lugar enquanto for necessário.

Mais conteúdo sobre:
ColômbiaMedellíndeslizamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.