Dilma diz que governo não incentivou ingresso de Zelaya

Para ministra, asilo político é "uma regra da civilização" e e não significa interferência do Brasil

Reuters,

22 de setembro de 2009 | 14h44

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou nesta terça-feira, 22, que a entrada do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, na embaixada do Brasil em Tegucigalpa não significa que o governo brasileiro tenha dado incentivo para o gesto.

 

Veja também:

link'Brasil procura sarna para se coçar', diz Azeredo sobre Honduras

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

lista Cronologia do golpe de Estado em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno

som Eldorado: Ouça entrevista de Zelaya

 

"O fato de ele ter entrado não significa em nenhum momento que o Brasil incentivou, adotou, deu cobertura ou nada disso, simplesmente respeitou", afirmou a ministra a jornalistas. "Isso são direitos humanos elementares", acrescentou.

 

Segundo a ministra, o Brasil não está interferindo em questão interna de Honduras. "Essa regra do asilo é uma regra da civilização, não é uma regra da incivilidade, da barbárie. Nós não estamos interferindo", destacou.

 

Dilma justificou o gesto de Zelaya recuperando a resistência de militantes de esquerda na época da ditadura brasileira (1964-1985). "Quantos de nós não fizemos isso no passado?", questionou.

 

Zelaya, deposto e expulso de Honduras em junho, retornou a seu país e desde segunda-feira está na embaixada brasileira na capital hondurenha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.