Diretor da PDVSA deixa cargo devido ao escândalo da mala

Um diretor da estatal venezuelana depetróleo PDVSA pediu demissão por causa do escândalo da malacom 800 mil dólares levada para a Argentina por um executivovenezuelano numa viagem oficial. A demissão de Diego Uzcategui foi anunciada na sexta-feirapela PDVSA. O caso deixou os presidentes Hugo Chávez, daVenezuela, e Néstor Kirchner, da Argentina, em situaçãoembaraçosa, já que ambos baseiam sua popularidade no combate àcorrupção. O filho de Uzcategui foi quem convidou o executivo quecarregava a mala de dinheiro para voar até Buenos Aires nojatinho fretado pela Enarsa, a estatal de energia da Argentina. "Devido ao fato de que foram detectadas violações de nossasnormas internas, e dentro do espírito de facilitar asinvestigações, o senhor Diego Uzcategui pediu demissão", dissea PDVSA em sua página na Internet. O episódio aconteceu poucos dias antes da chegada de Cháveza Buenos Aires numa visita oficial para promover a colaboraçãono setor de energia e consolidar a aliança com outros governosesquerdistas. Um promotor argentino pediu na terça-feira a ordem deprisão contra o executivo venezuelano Guido Antonini. Odinheiro foi encontrado na mala dele no dia 3 de agosto.Antonini deixou a Argentina imediatamente depois de o dinheiroter sido apreendido pelas autoridades alfandegárias. Na semana passada, Kirchner demitiu o funcionário quepermitiu que Antonini embarcasse no jatinho, e os assessoresdele pressionaram para que os venezuelanos pedissem desculpaspelo incidente. A PDVSA abriu uma investigação. (Por Brian Ellsworth)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.