Alejandro Ernesto/Efe
Alejandro Ernesto/Efe

Dissidente cubano Pelegrino anuncia fim de greve de fome de 40 dias

Membro do Partido Republicano Cubano afirmou que precisa estar 'vivo para lutar por Cuba'

07 de abril de 2010 | 17h08

Efe

 

HAVANA- O dissidente cubano Franklin Pelegrino del Toro, em greve de fome há 40 dias, informou à Agência Efe que abandonou nesta quarta-feira, 8, seu protesto após os insistentes pedidos de familiares e grupos de opositores, convencido de que precisa estar "vivo para lutar por Cuba".

 

Veja também:

linkEm SP, manifestantes prestam solidariedade às mulheres de dissidentes cubanos

linkFariñas seguirá em greve de fome após Raúl Castro dizer que 'não cederá'

linkCuba não aceitará chantagem, diz Raúl

linkPrisões desumanas levam a greve de fome em Cuba, diz HRW

link Perfil: Fariñas, um filho da revolução cubana

blog O 'pedreiro radical' que desafiou o regime

 

Pelegrino, de 38 anos, é barbeiro e faz parte do Partido Republicano Cubano. Ele agradeceu a "solidariedade e o apoio" da oposição e disse que seu jejum não era uma "chantagem", como disse no domingo passado o presidente cubano, general Raúl Castro, mas um "gesto" a favor dos direitos humanos.

 

"Eu pedia apenas o direito da liberdade dos presos políticos", acrescentou o dissidente, que falou por telefone da casa de sua porta-voz, María Antonia Hidalgo, na cidade de Holguín, a cerca de 800 quilômetros ao leste de Havana.

 

Pelegrino explicou à Efe que já começou a tomar por via oral soros com vitaminas e que em breve vai ingerir outros alimentos líquidos para se recuperar.

 

O dissidente começou seu protesto em 28 de fevereiro, cinco dias depois da morte do pedreiro Orlando Zapata Tamayo depois de uma greve de fome na prisão de 85 dias.

 

No domingo, Raúl Castro afirmou que Cuba prefere "desaparecer" a aceitar a "chantagem" dos Estados Unidos, da Europa e da oposição com "manipulações" sobre a falta de direitos humanos na ilha e acrescentou que, se algum dissidente morrer em greve de fome, será por sua culpa e não do Governo.

 

Um comunicado lido por Hidalgo após o fim da greve de fome de Pelegrino diz que "uma vida foi salva" e que Cuba pode contar com "tão valioso lutador pró-democrático".

 

Diretor do Partido Republicano na cidade de Cacocum, Pelegrino começou seu jejum de alimentos sólidos para somar-se à greve de fome e sede de Guillermo Fariñas, que já dura um mês e meio, para exigir a libertação de 26 opositores doentes.

 

O médico Darsi Ferrer também está em greve de fome desde meados de março em uma prisão de Havana, segundo a Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional, integrada por dissidentes.

 

As autoridades cubanas acusam Pelegrino, Fariñas, Ferrer e os outros opositores de serem "mercenários" dos EUA e de países europeus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.