Distribuição de eletricidade do Chile ficará instável por sete dias, diz Piñera

98% do fornecimento já foi restabelecido, mas previsão é de algumas falhas isoladas

Reuters,

15 de março de 2010 | 14h26

 

Boa parte do sistema de distribuição de energia elétrica do Chile permanecerá instável por ao menos uma semana, disse nesta segunda-feira, 15, o presidente Sebastián Piñera, um dia depois de o país sofrer comum apagão que atingiu quase todo o seu território.

 

"Nos comprometemos a reparar o transformador responsável pelo apagão em 48 horas e prometemos que as linhas que foram afetadas estarão revisadas e reparadas dentro dos próximos sete dias", disse o presidente. "Assim como ocorreu desde o terremoto do dia 27 de fevereiro, nos próximos sete dias teremos um sistema elétrico instável", completou.

 

Na noite do domingo, uma falha do Sistema Interconectado Central (SIC) havia deixado 80% do território chileno às escuras. As autoridades informaram que o abastecimento de energia elétrica em já havia sido normalizado em aproximadamente 98% do território chileno. Algumas áreas na região de Bio Bio, porém, continuavam às escuras.

 

Mais cedo, o ministro do Interior, Rodrigo Hinzpeter, informou que as forças policiais foram acionadas nas ruas afetadas pelo terremoto de 27 de fevereiro e que o toque de recolher continua vigente para evitar tumultos. Segundo a rádio Bio Bio, o ministro disse que "a situação na qual se encontra o povo do Chile, com o terremoto e o apagão, faz com que seja intolerável para nós que algumas pessoas se aproveitam da fragilidade das circunstâncias como a falta de luz para afetar a tranquilidade".

 

Hinzpeter também prometeu uma investigação sobre o ocorrido e que "as empresas terão que dar uma boa explicação para o que aconteceu". O ministro garantiu que tudo o que estiver ao alcance dos corpos legais, como a aplicação de multas, será feito. "Uma revisão exaustiva sobre o sistema e vai exigir das empresas envolvidas a responsabilidade a elas imputada", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.