Paraguay's Police/ AFP
Paraguay's Police/ AFP

Dois detentos brasileiros fogem de sede policial no Paraguai

Fugitivos seriam integrantes do PCC; autoridades não divulgaram identidade dos criminosos

O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2018 | 04h24

ASSUNÇÃO, Paraguai - Dois detentos, que seriam integrantes do Primeiro Comando Capital (PCC), fugiram no domingo, 16, do Agrupamento Especializado, em Assunção, sede da Polícia Nacional do Paraguai que funciona como centro de internação de presos de periculosidade.

A notícia foi confirmada para a imprensa local pelo vice-ministro de Segurança Interna Hugo Sosa. Mas as autoridades não deram nenhuma versão oficial nem divulgaram a identidade dos foragidos.

O fato aconteceu depois de o traficante Marcelo Pinheiro Veiga, mais conhecido como Marcelo Piloto, supostamente assassinar na sua cela do Agrupamento Especializado uma mulher de 18 anos que foi visitá-lo no final de novembro. Acredita-se que Piloto cometeu o assassinato para evitar sua extradição para o Brasil, embora tenha sido expulso do país dois dias depois por ordem do presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez.

Capilé

No mesmo domingo em que os dois brasileiros fugiram da sede da polícia paraguaia, Carlos Eduardo Sales Cardoso, o Capilé, chegou ao aeroporto de Jacarepaguá, na zona oeste do Rio de Janeiro, após ser preso no dia anterior em Assunção, onde vivia em um bairro de classe média alta. Capilé é considerado um dos maiores traficantes de drogas e armas do País. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.