Arquivo/Reuters
Arquivo/Reuters

Dono da 'Globovisión' aparece em Washington após um mês foragido

Guillermo Zuloaga denunciou governo de Chávez à OEA por 'perseguição da liberdade de expressão'

estadão.com.br,

09 de julho de 2010 | 22h22

WASHINGTON- Guillermo Zuloaga, o presidente da Globovisión, canal de televisão venezuelano que faz oposição ao presidente Hugo Chávez, fez uma aparição nesta quinta-feira, 8, em Washington, após um mês desaparecido, de acordo com a versão online desta sexta do jornal El País.

 

Zuloaga sumiu sem deixar rastros há um mês, quando a polícia venezuelana compareceu a sua casa para cumprir um mandado de prisão por um crime econômico. Em resposta, Chávez exigiu que o nome do empresário fosse incluído na lista de fugitivos internacionais da Interpol.

 

Hoje, Zuloaga se apresentou na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA), com sede na capital americana, para registrar uma denúncia por repressão da liberdade de expressão contra o governo chavista.

 

Segundo fontes da OEA, a denúncia foi feita ontem na sede da CIDH. A Relatoria para a Liberdade de Expressão do organismo expressou em junho sua "profunda preocupação" pela deterioração da liberdade de expressão na Venezuela, e citou, entre outros exemplos, a ordem de prisão contra Zuloaga.

 

O próprio presidente do canal disse hoje a Globovisión que se reuniu com a CIDH para pedir que "se faça justiça em seu caso", o qual qualificou como "perseguição política que tenta silenciar" seu canal.

 

Zuloaga e seu filho de mesmo nome são acusados de crimes de usura e associação criminosa por manterem vinte veículos para depois aumentar os preços de venda, segundo acusação da Procuradoria Venezuelana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.