Eliseo Fernandez/Reuters
Eliseo Fernandez/Reuters

Donos de mina onde 33 estão presos pedem desculpas a chilenos

Executivos depõem em comissão do Congresso que investiga causas do desabamento do local

Efe,

31 de agosto de 2010 | 19h22

VALPARAÍSO, CHILE- Os donos da mina San José, onde 33 mineiros estão presos a 700 metros do solo desde 5 de agosto, pediram desculpas nesta terça-feira, 31, pelo desabamento do local em uma sessão na Comissão da Câmara dos Deputados.

 

Veja também:

especialInfográfico: animação mostra como será o resgate

especial Linha do tempo: Os piores acidentes da década

video Assista ao vídeo enviado pelos mineiros chilenos

lista Risco de doenças é a maior ameaça

lista Contato com o exterior ameniza estresse

 

Os executivos Alejandro Bohn e Marcelo Kemeny, em meio a grande exposição da imprensa local, prestaram depoimento à comissão designada para investigar as causas do desabamento da mina onde os trabalhadores estão há 26 dias presos.

 

Segundo fontes legislativas, o depoimento dos dois empresários "não tem hora para acabar".

 

A comissão tenta determinar as responsabilidades de autoridades do governo no registro de supostas irregularidades e na reabertura da mina em 28 de julho de 2007. Ela havia sido fechada em 3 de julho de 2006, após um acidente no qual um mineiro teve uma perna amputada.

 

Durante seu depoimento, Bohn pediu "desculpas ao país pelo sofrimento causado" com o impacto gerado pelo enclausuramento prolongado dos trabalhadores.

 

O empresário detalhou ao Congresso os estudos que pediu ao Serviço Nacional de Geologia e Minas (Sernageomin) para melhorar a segurança na mina. Segundo Bohn, nos 11 meses em que o local esteve fechado, foram feitos estudos pertinentes e as rampas inseguras foram reparadas.

 

Neste ponto, Bohn foi enfático ao defender que "nenhum dos executivos fez pressão indevida em autoridades (para a reabertura", apesar de reconhecer que recorreram a elas "ante a paralisação parcial da mina".

 

Em 26 de agosto, a Justiça chilena ordenou o bloqueio de 900 milhões de pesos (US$ 1,7 milhões) da mineradora San Esteban, dona da mina San José, como medida preventiva para garantir que a empresa, com risco de falência, cumpra suas obrigações com seus 140 empregados e possa pagar futuras indenizações aos mineiros presos.

 

Drama

 

Os mineiros estão presos em um refúgio a 688 metros da superfície após o colapso na mina. Os 33 sobreviveram por 19 dias com uma dieta racionada de duas colheres de atum enlatado, um gole de leite e meio biscoito a cada 48 horas.

 

O único canal de comunicação com o exterior tem 15 centímetros de diâmetro. É por lá que as equipes de resgate começaram a enviar soro e rações de proteína e glicose, semelhantes às consumidas por astronautas. Dentro da mina, os mineiros contam com acesso à água e canais de ventilação.

 

O resgate será feito por uma perfuradora que abrirá caminho no solo. Andres Sougarret, chefe da operação, afirmou que o período para abrir um túnel largo o bastante para a passagem segura dos homens pode levar até quatro meses.

Leia ainda:

linkEspecialistas da Nasa vão ao Chile

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.