É um momento que pede nossa liderança, diz Obama sobre Haiti

EUA anunciam ajuda de US$ 100 milhões ao país e o envio de 3,5 mil soldados para ajudar vítimas de terremoto

estadao.com.br,

14 de janeiro de 2010 | 13h25

Obama discursa ao lado de Robert Gates, Joe Biden e Hillary Clinton. Foto: Charles Dhaparak/AP

 

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Barack Obama, disse nesta quinta-feira, 15, que a situação de horror vivida pelo mundo por conta do terremoto que atingiu o Haiti na terça-feira pede a liderança americana. Em discurso na Casa Branca, o presidente anunciou o envio de US$ 100 milhões e de 3,5 mil soldados para ajudar as vítimas do terremoto da terça-feira, 12. O tremor afetou um terço da população do Haiti, segundo a Cruz Vermelha, e pode ter matado até 50 mil pessoas, de acordo com o governo local.

 

Veja também:

linkAjuda humanitária começa a chegar ao Haiti

linkHaitianos passam noite nas ruas entre corpos e escombros

linkBrasil e EUA pedirão mais doações ao Haiti em reunião

linkNúmero de militares brasileiros mortos chega a 14

 

Obama disse, em seu discurso sobre a postura do país quanto ao Haiti, que trabalhará em conjunto com a ONU e especialmente com o Brasil, que lidera a missão de paz da entidade no país caribenho.

 

Todos os órgãos governamentais e militares dos EUA colocarão o Haiti no topo de suas prioridades, conforme pediu o presidente. Além disso, uma ajuda de US$ 100 milhões será enviada imediatamente ao país. "O povo do Haiti não será esquecido ou abandonado. A América está com vocês", prometeu.

 

VEJA TAMBÉM:
\"especial\" Tragédia e destruição no Haiti
\"especial\" Os piores terremotos na América Latina
\"especial\" Os piores terremotos da década
blog Blog: repercussão em tempo real
blog População do Haiti se comunica com mundo via Web
\"som\" Representante da OEA fala do tremor
\"mais A tragédia em imagens
\"lista\" Leia tudo que já foi publicado

O presidente americano também expressou condolências às vítimas do terremoto e seus familiares e disse que os EUA farão o possível para auxiliar nos trabalhos de resgate. "Nos solidarizamos com nossos vizinhos do sul. Nossas primeiras equipes já estão a caminho, vamos trabalhar para salvar vidas", disse, acrescentando que as perdas no Haiti não são "menos que devastadoras".

 

Apesar de confortar e oferecer ajuda às vítimas do tremor, Obama afirmou que mesmo que "os EUA agissem o mais rápido possível, poderia levar horas e até dias para a ajuda chegar ao Haiti". O presidente também pediu aos haitianos que compreendessem que "os maiores esforços dos últimos tempos estão direcionados a essa questão".

 

Preocupado com a possibilidade do crescimento da violência em Porto Príncipe, já que as forças internacionais estão concentradas nos resgates das vítimas, Obama garantiu que o Exército americano toma conta do aeroporto da capital, por onde grande parte da ajuda humanitária de outros países chegará.

 

Ajuda

 

Além da quantia anunciada por Obama, os EUA já anunciaram que até 3,500 soldados serão enviados ao Haiti para ajudar nos trabalhos de busca. O major Brian Fickel informou que os 100 primeiros soldados devem chegar no Haiti ainda nesta quinta-feira e prepararão a chegada dos demais enviados. Separadamente, o Pentágono enviará um porta-aviões e três veículos-anfíbios, incluindo um que pode levar até 2 mil pessoas.

 

A Guarda Costeira anunciou na terça o envio de quatro navios e um avião de carga. A Agência Internacional para o Desenvolvimento também foi acionada e já enviou uma equipe ao Haiti composta por 72 pessoas, seis equipes de rastreamento canino e 48 toneladas de material de resgate.

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
ObamaHaititerremoto no Haititerremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.