Economistas pedem a Obama fim do embargo contra Cuba

Economistas de 52 países reunidos nesta semana em Havana pediram ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o fim do embargo econômico imposto por Washington a Cuba, noticiou a imprensa estatal no sábado. Em uma carta dirigida a Obama, os economista reunidos em um fórum internacional pediram o fim do embargo econômico e comercial que os Estados Unidos têm imposto sobre a ilha por 47 anos. A vice-presidente do Senado do México, Yeidckol Polevnsky, leu o documento publicado no sábado no diário oficial Granma. "Em meio aos debates, temos feito um ato para solicitar-lhe que... cesse o absurdo bloqueio (embargo) econômico, comercial e financeiro que os Estados Unidos, com seu grande poderio, exerce... sobre Cuba", indicou a carta. A solicitação da carta se soma aos pedidos feitos anteriormente neste ano pelo governantes de Equador, Rafael Correa, e de Argentina, Cristina Kirchner, durante visita a Havana. Obama é o primeiro presidente dos Estados Unidos em meio século que tem mostrado disposto a dialogar com as autoridades comunistas de Cuba. Durante sua campanha eleitoral. Obama sustentou que suspenderia as restrições a viagens e envio de remessas à ilha, mas deixou claro que não pretendia colocar um fim ao embargo que 10 de seus predecessores aplicaram sobre Havana. O fórum reuniu economista de países como Equador, México, Chile e Argentina e contou com a presença do Prêmio Nobel de Economia Robert Engle. (Reportagem de Nelson Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.