Eduardo Frei admite derrota para Piñera no Chile

Coalizão do governo de esquerda chileno reconhece derrota no 2º turno para presidente

EFE,

17 de janeiro de 2010 | 19h56

O direitista Sebastián Piñera ergue os braços ao chegar para votar. Foto: REUTERS/Marco Fredes

 

Santiago - A Concertação, coalizão de centro-esquerda no poder no Chile desde 1990, reconheceu a vitória do direitista Sebastián Piñera nas eleições presidenciais realizadas neste domingo.

"Parece um fato irreversível. Parece-nos importante reconhecer este resultado", disse Juan Carlos Latorres, presidente da Democracia Cristã, um dos quatro partidos da coalizão, ao falar da derrota de seu candidato, Eduardo Frei.

 

Após a apuração de 60,32% dos votos, Piñera, candidato da direitista Coalizão Pela Mudança, liderava com 51,87% dos votos, enquanto Frei aparecia com 48,12%, segundo o subsecretário do Interior chileno, Patricio Rosende.

 

Caso a vitória de Piñera se confirme, a direita chilena voltaria à Presidência pela via democrática 52 anos depois da vitória de Jorge Alessandri em 1958.

 

Além disso, Piñera poria fim a quatro mandatos consecutivos da Concertação e se transformaria no primeiro líder da direita desde o retorno do Chile à democracia, em 1990, após 17 anos do regime militar comandado por Augusto Pinochet (1973-1990).

 

Mais de oito milhões de chilenos foram convocados às unas neste domingo para escolher o sucessor da socialista Michelle Bachelet, que entrega o poder em 11 de março.

 

No primeiro turno, Sebastián Piñera recebeu 44,03% dos votos, contra 29,60% para Eduardo Frei.

Tudo o que sabemos sobre:
Chile

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.