Efeitos de suspensão de acordo com os EUA são 'mínimos', diz Santos

Segundo presidente colombiano, decisão da Justiça não afeta ajuda de Washington ao país

Reuters,

18 de agosto de 2010 | 20h30

BOGOTÁ- O presidente colombiano Juan Manuel Santos afirmou nesta quarta-feira, 18, que a decisão judicial contra um acordo militar entre seu país e os Estados Unidos tem consequências "nulas ou mínimas" na ajuda de Washington a Bogotá.

 

Veja também:

linkSuspensão de acordo com EUA gera elogios e críticas na Colômbia

linkEUA pedem que Colômbia mantenha acordo sobre bases militares

 

A Corte Constitucional suspendeu na noite de terça um convênio militar entre os dois países firmado em 2009, sob o qual militares americanos foram autorizados a usar sete bases militares colombianas por dez anos para realizar operações contra o narcotráfico e o terrorismo.

 

Quando foi assinado, o acordo não recebeu aval do Legislativo porque o governo o considerou apenas a ampliação de outros convênios já existentes com Washington. Ontem, no entanto, a Justiça exigiu que o trato passe pelo crivo do Congresso.

 

A Corte afirmou que sua decisão não afetava outros acordos de cooperação entre Bogotá e Washington, alguns deles vigentes há décadas. "O governo acata as decisões da Corte com todo o respeito", disse Santos.

 

O presidente ainda afirmou que "as consequências do veredicto para a colaboração que temos recebido dos Estados Unidos são mínimas, para não dizer nenhuma, pelo menos no que estamos recebendo até o momento (...) por acordos anteriores."

 

O Plano Colômbia, com o qual os Estados Unidos ajuda o país a combater o narcotráfico e as guerrilhas desde o começo da década, "não vai ser afetado em nada", garantiu Santos.

 

"A luta contra o terrorismo não tem trégua e essa decisão da Corte em nada afeta o que temos recebido dos Estados Unidos", declarou o líder colombiano.

 

O presidente disse que o governo analisaria internamente se apresentaria ou não o acordo ao Congresso, e se há outras alternativas disponíveis.

 

O convênio permite a presença de 800 militares americanos e 600 funcionários subcontratados para ações bilaterais contra o narcotráfico e o terrorismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.