El Salvador afirma que México já identificou 46 vítimas de chacina

Segundo autoridades, informação é do governo mexicano; 72 imigrantes foram mortos na terça passada

Efe,

31 de agosto de 2010 | 22h56

SAN SALVADOR- O governo de El Salvador afirmou nesta terça-feira, 31, que, segundo informações das autoridades mexicanas, foram identificadas até o momento 46 das 72 vítimas da chacina contra imigrantes em Tamaulipas. Dos corpos, 21 seriam de hondurenhos, cinco de guatemaltecos, seis de equatorianos e um seria brasileiro.

 

Veja também:

lista Saiba mais sobre o tráfico de drogas no México

 

"Dos 'pré-identificados', o número chegou a 46. Honduras aumentou de 16 a 21, El Salvador se manteve em 13, Guatemala, 5, Equador 6 e Brasil, um", disse o vice-ministro para os Salvadorenhos no Exterior, Juan José García, em uma coletiva de imprensa.

 

García disse não ter mais informações "do restante dos corpos" encontrado em um rancho da cidade de San Fernando, no norte do México.

 

"Parece que estão sem documentos, apareceram sem documentos, portanto vão ter que remitir provas científicas para a sua identificação", acrescentou.

 

O chanceler salvadorenho, Hugo Martínez, confirmou na mesma coletiva de imprensa que o processo de identificação dos mortos é "sumamente complicado".

 

"Só o processo de comparação de provas físicas é praticamente impossível (de alcançar algum avanço) com o nível de decomposição dos cadáveres. (Só o ato de) compara uma fotografia de uma pessoa em vida com o estado de decomposição em que se encontram os cadáveres (é muito complicado)", disse Martínez.

 

Na terça passada, as autoridades mexicanas descobriram os cadáveres de 58 homens e 14 mulheres em um rancho em Tamaulipas após o testemunho de um equatoriano que fazia parte do grupo e foi o único sobrevivente.

 

Segundo o jovem, os imigrantes foram interceptados em algum ponto de sua viagem aos Estados Unidos pelo cartel Los Zetas, um dos grupos mais violentos do crime organizado mexicano.

 

O grupo teria assassinado os imigrantes pela recusa destes em trabalharem para o cartel como matadores de aluguel.

 

 

Leia ainda:

linkAtentado mata oito em Cancún

linkPolícia: Prisão de chefe do tráfico é novo marco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.