Eleição em Honduras deve ter pelo menos 250 observadores

Diversos ex-presidentes farão parte da comissão, entre eles Vicente Fox (México) e Jorge Quiroga (Bolívia)

Efe,

16 Novembro 2009 | 20h30

O Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) de Honduras prevê a chegada de pelo menos 250 observadores do exterior, entre eles diversos ex-presidentes latino-americanos, para as eleições do próximo dia 29, informou nesta segunda-feira, 16, uma fonte oficial.

 

Veja também:

link Governo de facto: desistência de Zelaya não interrompe acordo

lista Entenda a crise e os principais pontos do acordo

especial Especial: O impasse em Honduras 

 

Um dos três juízes do TSE, Enrique Ortez, disse aos jornalistas que já têm "confirmações" de diversos ex-presidentes, mas não revelou nenhum.

 

"Queremos conduzir esse tema da observação com muita prudência e também com muita reserva. Teremos 250 pessoas de alta qualidade moral, que são referências em cada um de seus países", explicou.

 

Por sua parte, um porta-voz do Partido Nacional, primeira força da oposição, informou à imprensa que convidou cerca de 100 observadores, entre eles os ex-presidentes Jorge Quiroga (Bolívia), Armando Calderón e Alfredo Cristiani (El Salvador), Vinicio Cerezo (Guatemala), Vicente Fox (México) e Alejandro Toledo (Peru).

 

A maioria dos convidados confirmou presença, enquanto outros enviarão um representante, acrescentou a fonte, sem dar mais detalhes.

 

Segundo Ortez, os observadores internacionais se somarão a mais de 6 mil hondurenhos e muitos jornalistas da imprensa estrangeira que já começaram a se credenciar para cobrir as eleições.

 

Honduras vive uma crise política desde o golpe de Estado contra o presidente Manuel Zelaya, em 28 de junho. Ele está na embaixada do Brasil em Tegucigalpa desde 21 de setembro.

 

As eleições serão as oitavas desde que Honduras retornou à democracia, em 1980, após quase duas décadas de regimes militares.

Mais conteúdo sobre:
Honduras eleições Micheletti Zelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.