Eleição regional antecede referendo na Bolívia

A população do departamento deChuquisaca elegeu no domingo o prefeito regional, em uma novamedição de forças entre o governo de esquerda do presidente EvoMorales e a oposição na Bolívia, a seis semanas de um crucialreferendo revogatório de mandatos. A eleição de Chuquisaca pode deixar nas mãos da oposição asprefeituras de sete dos nove departamentos, mas este quadropode mudar drasticamente se, como antecipam várias pesquisas, oprocesso revogatório provocar a queda da maioria dosgovernadores regionais. Morales, seu vice-presidente Alvaro García e os prefeitosdevem se submeter em 10 de agosto a referendos simultâneos quevão revogar ou ratificar seus mandatos, um processo que seriauma solução para um grande conflito interno, mas que a maioriados prefeitos resiste em acatar. "Defendemos as conquistas do povo com o voto", proclamouGarcía em um ato no sábado em La Paz, ao assinalar que está emjogo um nova "fundação" da Bolívia com um selo indígena esocialista, prometida por Morales, um aliado do presidentevenezuelano Hugo Chávez. O distrito de Chuquisaca, em especial a capital Sucre, vivehá mais de um ano em conflitos, incluindo confrontos sangrentose a renúncia do prefeito. Pesquisas de jornais e cadeias de televisão antecipam umavitória apertada da candidata da oposição Sabina Cuéllar,apoiada pelo movimento de autonomia liderado pelo departamentode Santa Cruz, sobre o candidato Walter Valda, ex-ministro dogoverno Morales. Os dois candidatos prometeram trabalhar pela reconciliaçãoda população. "Fazemos um esforço imenso para preservar a democracia e aconstitucionalidade eleitoral do país", disse em Sucre opresidente da Justiça Eleitoral, José Luis Exeni, ao abrir avotação, segundo as cadeias de rádio. (Por Carlos Alberto Quiroga)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.