Eleições na Colômbia terão 60 observadores de 25 países

Operação de segurança identificou 'mapa de risco' e cobrirá quase todas as mesas de votação

Efe,

17 de fevereiro de 2010 | 20h38

Cerca de 60 funcionários procedentes de 25 países integrarão a missão de observação dos próximas eleições parlamentares e presidenciais da Colômbia, informaram nesta quarta-feira, 17, organismos encarregados da organização eleitoral.

 

Veja também:

linkSem aval para 3º mandato, Uribe lidera pesquisa na Colômbia

 

Segundo a Secretaria Nacional do Estado Civil (RNEC, na sigla em espanhol), que ajuda o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) a organizar os pleitos, os integrantes das missões são em sua maioria de países americanos, e alguns são de países europeus, como a Espanha.

 

No próximo 14 de março mais de 29,5 milhões de colombianos irão às urnas para escolher 102 senadores, 166 representantes da câmara baixa e, pela primeira vez de maneira direta, cinco parlamentares andinos.

 

Mais de 100 mil agentes da Polícia e das Forças Militares farão a segurança nas eleições legislativas, anunciou nesta quarta o ministro colombiano da Defesa, Gabriel Silva.

 

"Vamos cobrir mais de 97% das mesas de votação, vamos tentar chegar ao 100%, mas é uma cobertura que nunca se teve antes", disse o funcionário a jornalistas. O titular da Defesa explicou que o Centro de Inteligência Eleitoral, criado especialmente para as eleições de 2010, identificou um "mapa de risco que determina aqueles municípios onde as ameaças do narcoterrorismo e da violência podem ser maiores e mais significativas".

 

Depois das eleições legislativas, os colombianos voltarão às urnas em 30 de maio para as eleições presidenciais. Entre os dois pleitos, pode ser feito um referendo para que o atual presidente, Álvaro Uribe, possa se apresentar a uma segunda reeleição consecutiva.

 

O referendo depende da decisão do Tribunal Constitucional sobre uma lei já aprovada no parlamento.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesColômbiaÁlvaro Uribe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.