ELN afasta seu porta-voz, Francisco Galán

Decisão parece ter se desencadeado após reunião de Galán com o presidente colombiano, Álvaro Uribe

AP

06 de abril de 2008 | 18h27

A guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN) afastaram aquele que até agora foi seu principal porta-voz, Gerardo Bermúdez, logo que ele teve uma reunião com o presidente colombiano Álvaro Uribe, informou neste domingo, 6, eltiempo.com.  Bermúdez, conhecido com "Francisco Galán", disse neste domingo, 6, na versão eletrônica do jornal El Tiempo que foi tirado do cargo por "diferenças" com a cúpula rebelde. O guerrilheiro teve uma reunião com Uribe sexta-feira, 4, antes da qual declarou que "renunciava à guerra, mas não ao ELN." Ao que parece, essa manifestação desencadeou a saída de Bermúdez do papel de porta-voz, embora não tenha sido possível confirmar essa informação com outras fontes. Galán ainda expressou desejo de "continuar desenvolvendo atividade que ajude a resolver o conflito" que vive a Colômbia há meio século. "Continuo trabalhando. O presidente me deu autorização para manter contato com a Cúpula Central do ELN e eles não vão me cerrar as portas", disse. Francisco Galán, que durante anos foi um dos máximos dirigentes do Exército de Libertação Nacional (ELN), passou mais de 14 anos preso e participou ativamente nos contatos de paz com o governo, que ocorrem em Cuba desde o final de 2005 e nos quais se busca uma forma de iniciar a negociação formal. O barbudo ex-guerrilheiro foi libertado em janeiro de 2007, após cumprir três quintos da sua pena de mais de 29 anos. Atualmente vive numa casa de campo perto de Medellín.  O ELN surgiu em 1964, inspirado na Revolução Cubana, e segundo analistas está atualmente dizimado por causa da ofensiva do Exército e dos paramilitares de ultradireita. Os dirigentes da guerrilha negam que o grupo esteja enfraquecido. Enquanto mantém contatos com o ELN, o governo de Uribe não conseguiu estabelecer uma aproximação com a maior guerrilha do país, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaELN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.