Em cadeia nacional, Hugo Chávez descreve como teve diarréia

Presidente venezuelano conta ao vivo no programa 'Alô Presidente!' o problema que passou em evento oficial

Da redação, estadao.com.br

06 de agosto de 2008 | 14h39

Na última edição de seu programa de televisão Alô Presidente!, exibido neste domingo, 2, o presidente venezuelano Hugo Chávez descreveu em rede nacional a ocasião em que sofreu com problemas intestinais durante um evento oficial nas obras do túnel Caracas-Tuy. "Sou um ser humano como qualquer um de vocês, às vezes as pessoas se esquecem disso", afirmou.        Chávez relatou que estava com diarréia naquela ocasião e suava frio. Na cerimônia, que estava sendo transmitida ao vivo, o presidente deveria derrubar uma das paredes do túnel com um trator. "Isso só acontece comigo, com mais ninguém nesse mundo. Alguém decidiu mandar a televisão sem que eu soubesse. O suor me fechava os olhos (...)." Sem condições de derrubar a parede, ele pediu que um dos funcionários da obra o fizesse.   Com a parede que separava as duas partes do túnel derrubada, Chávez então passou a caminhar pela contrução, seguido por jornalistas. "Imaginem vocês, e eu com essas características fisiológicas na metade do túnel, ao vivo. Pobre Chávez, isso só acontece com Chávez", relata.   Chávez tentou seguir até o fim do trajeto com "cem jornalistas" o acompanhando, fazendo perguntas, e ele pensando "meu Deus, leve-me daqui, meu Deus". O presidente então decidiu terminar a cerimônia. "Disse então a eles: senhores, terminamos. Por favor, estou com pressa, abram caminho", lembra.    O venezuelano então entrou num ônibus que estava nas obras do túnel, deixando os seguranças para trás, e pediu para que o motorista deixasse o local o mais rápido possível. "Arranque compadre, disse a ele! Não vou dizer a vocês o que disse ao senhor. Arranque ou o deixarei aqui. E a câmera atrás de mim. Claro, os cinegrafistas inocentes não sabiam do drama que estava vivendo... E o ministro de Infra-estrutura  vinha atrás: me espere, presidente. Não espero nada, compadre, estou indo", contou Chávez.   Por fim, conta Chávez, eles chegaram na saída do túnel, onde o presidente foi recebido por cerca de 40 trabalhadores que gritavam o seu nome. "Os cumprimentei, não sei de onde tirei forças para agüentar aquilo". O presidente perguntou para um deles: "onde há um banheiro aqui?", e o funcionário sinalizou um trailer. Com as câmeras deixadas para trás, Chávez enfrentou a subida até o local apontado pelo trabalhador.   "Quando fui chegando no trailer, compadre, surgiram quatro cachorros desses grandes. Como se chamam esses cães gigantescos? Buldogue, não sei, algum desses. Bom, os cachorros apareceram e não conhecem o Chávez, muito menos numa situação como essa. Por fim, chamaram os animais e os amarraram. Ainda tive que esperar que os cachorros fossem amarrados. E cheguei: ah, a salvação."  

Tudo o que sabemos sobre:
Hugo ChávezVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.