Reuters
Reuters

Em El Salvador, esquerda proclama vitória e pede unidade

Com 90% dos votos apurados, Mauricio Funes tem 51%; ele promete fortalecer as relações do país com EUA

Efe,

16 de março de 2009 | 02h43

O virtual presidente eleito de El Salvador, Mauricio Funes, prometeu que seu Governo fomentará a unidade e que transformará a economia do país na mais dinâmica da América Central, além de fortalecer as relações com os Estados Unidos.

 

Funes, candidato do ex-guerrilheiro Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN), se proclamou presidente eleito depois que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lhe concedeu 51% dos votos uma vez apurado 90% dos sufrágios das eleições presidenciais realizadas neste domingo em El Salvador.

 

"Transformo-me, sem lugar para dúvidas com os dados apurados e divulgados pelo TSE, no presidente eleito", disse em um hotel da capital.

 

Funes prometeu que seu Governo buscará beneficiar a maioria da população, independentemente de sua preferência política.

 

"Uma saudação a meus adversários com respeito, reconheço seu empenho e lhes expresso minha disposição à troca permanente de ideias em função dos interesses nacionais e o fortalecimento da democracia", afirmou.

 

Com o virtual triunfo do FMLN se coloca fim a 20 anos de governos da Aliança Republicana Nacionalista (Arena, direita), que assinou os Acordos de Paz de 16 de janeiro de 1992, para acabar com 12 anos de conflito interno.

 

"A Arena deve ter a segurança de que será respeitada e escutada como oposição", assegurou.

 

Funes convidou as diferentes forças sociais políticas do país para que construam juntos uma unidade, que deve ser baseada na tolerância e no respeito das diferenças.

 

Insistiu que seu governo será encorajado pelo espírito da união nacional e que a partir de agora se deve deixar para trás o confronto e o revanchismo.

 

O aspirante da ex-guerrilha disse que sua administração terá um compromisso principal com a Constituição, a democracia e a vigência plena do Estado de Direito e que trabalhará na defesa do regime de liberdades e do respeito escrupuloso à crítica e a todos os cultos religiosos.

 

"Esta é a noite mais feliz da minha vida e a de maior esperança para El Salvador", declarou, ao indicar que o país demonstrou ao mundo inteiro que está preparado para a alternância governamental.

 

Explicou que trabalhará para construir uma economia dinâmica eficiente e competitiva, e que, além disso, promoverá a criação de uma ampla base empresarial.

 

"Nosso propósito é transformar El Salvador na economia mais dinâmica da América Central", acrescentou entre aplausos.

 

Sobre a política internacional disse que será fortalecida, já que implementará uma política externa independente baseada na proteção e no fomento dos interesses nacionais.

 

"A integração Centro-Americana e o fortalecimento das relações com os Estados Unidos serão aspectos prioritários em nossa agenda de política externa", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
El Salvadoreleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.