Embaixador brasileiro confirma ajuda para reféns das Farc

País fornecerá meios logísticos para receber seis sequestrados que a guerrilha deve libertar unilateralmente

Efe,

23 de janeiro de 2009 | 16h34

O embaixador brasileiro na Colômbia, Valdemar Carneiro Leão Neto, confirmou nesta sexta-feira, 23, em Bogotá que o Brasil fornecerá os meios logísticos para receber os seis reféns que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) se propuseram a pôr em liberdade. "Vamos brindar à operação os meios logísticos, mas é uma operação feita sob a responsabilidade da Cruz Vermelha (internacional)", disse o diplomata à imprensa na Casa de Nariño, sede do Executivo em Bogotá. Veja também:Por dentro das Farc Histórico dos conflitos armados na região   O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) informou separadamente que o "Brasil está disposto a colocar à disposição da instituição a logística necessária para a libertação". "O CICV manteve um diálogo com alguns países da região sobre as capacidades e disponibilidades logísticas para realizar a missão", informou a delegação do organismo em comunicado divulgado pelo porta-voz na Colômbia, Yves Heller. Leão Neto afirmou que a colaboração brasileira com a missão humanitária foi solicitada pela Cruz Vermelha. "Dissemos à Cruz Vermelha que sim, sempre que o governo (colombiano) desse seu consentimento prévio", afirmou o diplomata, que foi à Casa de Nariño para a habitual saudação de começo de ano do presidente Álvaro Uribe ao corpo diplomático credenciado na Colômbia. "Sempre manifestamos nosso interesse em ajudar", ressaltou o embaixador brasileiro, que esclareceu que a participação do Brasil não vai além de fornecer os meios logísticos necessários, que basicamente serão dois helicópteros.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.