Embaixador dos EUA oferece apoio em favor de reféns de Farc

"Apoiamos a iniciativa do Governo colombiano de buscar uma solução humanitária", disse o diplomata.

EFE

29 de março de 2008 | 02h14

O embaixador dos Estados Unidos em Bogotá, William Brownfield, ofereceu nesta sexta-feira apoio à iniciativa do presidente colombiano, Álvaro Uribe, em favor dos reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), entre eles três americanos. "Apoiamos a iniciativa do Governo colombiano de buscar uma solução humanitária", disse o diplomata. Uribe assinou na quinta-feira à noite uma norma que o autoriza a libertar de maneira condicional guerrilheiros das Farc, em troca da libertação de seqüestrados pelos rebeldes. A norma tem alcance tanto sobre os retidos com fins de troca por 500 insurgentes presos, como sobre os seqüestrados por motivos econômicos, que são aproximadamente 700. O embaixador americano também se uniu ao clamor nacional e internacional pela libertação imediata da ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, em poder dos rebeldes desde fevereiro de 2002 e cujo estado de saúde é grave. Além disso, afirmou que as Farc devem liberar o mais rápido possível os demais seqüestrados, entre eles os americanos Thomas Howes, Marc Gonsalves e Keith Stansell. Os três foram seqüestrados em fevereiro de 2003, quando realizavam uma missão aérea do chamado Plano Colômbia nas selvas de Caquetá, departamento selático no sul do país. "Consideramos as Farc responsáveis por esta situação, e, portanto, responsáveis para resolvê-la", insistiu Brownfield.

Tudo o que sabemos sobre:
Farc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.