Embaixador no Chile conta como foi o momento do terremoto

'Efeitos chegaram praticamente em todo o país', diz Mário Vilalva em entrevista à Rádio Bandeirantes

Maíra Teixeira, da Central de Notícias,

27 de fevereiro de 2010 | 12h39

Em entrevista concedida à Rádio Bandeirantes, o embaixador brasileiro no Chile Mário Vilalva conta como foi o momento do tremor de 8,8 graus na escala Richter, que atingiu o país, na madrugada deste sábado, 27. Vilalva estava em Santiago.

 

Segundo ele, o forte abalo foi às 3h40 da manhã, a 90 quilômetros da cidade de Concepción, segunda cidade do país, mais ao sul de Santiago. "Os efeitos chegaram praticamente em todo o país. Aqui em Santiago, nós sentimos ondas muito forte do terremoto que durou aproximadamente um minuto, um minuto e dez e com muitos danos materiais por toda a cidade. Sobretudo em imóveis antigos. Aqui mesmo na embaixada do Brasil, que é um imóvel de 1873, houve vários danos à residência; paredes trincadas, rebocos que vieram ao chão", descreveu à rádio.

 

"Mas, felizmente, os piores momentos já terão passado. Depois do terremoto principal houve o que eles chamam de réplicas. Tivemos cerca de 10 réplicas depois de menor intensidade, mas que assustou muito as pessoas. De um modo geral, a população de Santiago foi para a rua - que é a primeira reação."

 

Ao final da entrevista, Vilalva falou do levantamento dos estragos: "Mas, já foi restabelecida a luz e já estão fazendo os levantamentos, pelas autoridades, de quais foram os danos."

Tudo o que sabemos sobre:
EmbaixadorTerremotoChile

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.