Empresa de Carlos Slim iniciará obras no Canal do Panamá

A empreiteira terá 670 dias para entregar o projeto terminado

EFE

21 de dezembro de 2007 | 01h35

A empresa CILSA-Minera María, da qual o magnata mexicano Carlos Slim é sócio, recebeu a ordem para iniciar os trabalhos do segundo contrato de escavação seca para a ampliação do Canal do Panamá, informou hoje a administração do canal. A empreiteira terá 670 dias para entregar o projeto terminado. A previsão é concluir as obras em outubro de 2009, segundo um comunicado da Autoridade do Canal do Panamá. A CILSA-Minera María apresentou o preço mais baixo durante uma licitação, em 14 de novembro. A oferta foi de US$ 25,4 milhões. A contratação foi oficializada no dia 27 de novembro, quando a ACP confirmou que a empresa cumpria os requisitos de qualificação. Os trabalhos deste segundo projeto de escavação seca incluem a remoção de aproximadamente 7,5 milhões de metros cúbicos de terra em um trecho de 2,4 quilômetros. A ampliação do Canal, que deve terminar em 2014, tem um custo de US$ 5,25 bilhões. A obra duplicará, de 300para 600 milhões de toneladas anuais, a capacidade de transporte de carga pela via interoceânica.

Tudo o que sabemos sobre:
Panamá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.