Empresário é condenado a 20 anos por incêndio em discoteca

Casa noturna pegou fogo devido a fogos de artifício que atingiram o teto da discoteca; 193 pessoas morreram

AE-AP,

19 de agosto de 2009 | 16h39

O empresário Omar Chabán foi condenado nesta quarta-feira a 20 anos de prisão pelo incêndio de uma discoteca em Buenos Aires em 2004, no qual morreram 193 pessoas. Já os seis integrantes da banda Callejeros, considerados coautores da tragédia, foram absolvidos.

 

Veja também:

link Incêndio destrói danceteria durante show pirotécnico

 

O Tribunal Oral Criminal Número 24 da capital argentina condenou Chabán, dono da discoteca República de Cromañón, pelos crimes de incêndio seguido de morte e suborno.

 

A pena não será cumprida imediatamente e Chabán permanecerá em liberdade até que a sentença seja ratificada ou não pela Câmara de Cassação.

 

Os juízes absolveram os músicos da banda Callejeros, que se apresentavam quando o incêndio teve início e haviam sido acusados como coautores do crime.

 

A tragédia aconteceu no dia 30 de dezembro de 2004, durante uma apresentação da Callejeros. Segundo testemunhas, três jovens acenderam fogos de artifício que atingiram o teto da discoteca, coberto por uma tela plástica que foi consumida pelo fogo em segundos.

 

A fumaça negra e altamente tóxica encheu a discoteca, cuja saída de emergência se encontrava fechada supostamente para evitar a entrada de pessoas sem entrada, e o lugar se converteu numa câmara de gás.

 

No local, que tinha permissão das autoridades municipais embora não cumprisse com normas mínimas de segurança, a maioria dos jovens morreu asfixiada e pisoteada durante o incêndio. Outros morreram nos meses seguintes por complicações respiratórias causadas pela intoxicação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.