Empresário venezuelano nega plano para assassinar Chávez

Guillermo Zuloaga, dono da Globovisión, é considerado um dos maiores adversários do presidente

Reuters

23 de novembro de 2010 | 09h13

CARACAS - O empresário venezuelano Guillermo Zuloaga, dono do canal oposicionista de TV Globovisión e acusado pelo presidente Hugo Chávez de planejar seu assassinato, rejeitou na segunda-feira essa afirmação e acusou o sistema judiciário local de estar a serviço do presidente.

Chávez, que considera a Globovisión como uma força contrária à sua "revolução socialista", ameaçou em diversas ocasiões fechar o pequeno canal. Zuloaga está foragido da justiça depois de ter sido acusado de usura, junto com o filho.

"Presidente, eu não o quero morto. Eu quero que tenha muita saúde para vê-lo quando tiver que prestar contas aos venezuelanos, e talvez mais além de nossas fronteiras, por sua má gestão de governo e pelo destino que teve essa enorme fortuna que você gastou", disse Zuloaga em um discurso transmitido pelo seu canal.

Chávez disse no final de semana que Zuloaga estava participando de um plano para assassiná-lo e que o empresário pagaria 100 milhões de dólares a quem o fizesse, e solicitou a seus aliados que tomassem medidas contra o Globovisión.

 

Zuloaga fugiu do país depois de ter sido preso em março. Chávez anunciou que pretende adquirir o controle acionário da emissora.

Críticos de Chávez dizem que o presidente reprime a liberdade de expressão no país enquanto conduz a nação a um regime comunista, mas seus seguidores defendem sua gestão, argumentando que procura beneficiar os mais pobres.

Tudo o que sabemos sobre:
ZuloagaChávezVenezuelaGlobovisión

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.