Encontro da Unasul termina sem acordo entre Colômbia e Venezuela

A Colômbia e a Venezuela não chegaram a um acordo na quinta-feira para superar o rompimento de suas relações diplomáticas, numa cúpula mediada por chanceleres sul-americanos que deixou poucas promessas.

ALEXANDRA VALENCIA, REUTERS

30 de julho de 2010 | 07h53

A Colômbia insistiu no encontro da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) em buscar um mecanismo para combater os guerrilheiros na região, após denunciar à Organização dos Estados Americanos (OEA) que a Venezuela abriga 1.500 rebeldes esquerdistas em seu território.

Essas acusações levaram o presidente venezuelano, Hugo Chávez, a romper as relações diplomáticas com seu vizinho andino na semana passada e a colocar em alerta suas tropas na fronteira entre os dois países.

Apesar de Colômbia e Venezuela aceitarem sentar à mesa para negociar no encontro da Unasul a portas fechadas em Quito, os chanceleres da região não conseguiram que nenhum dos lados cedesse.

"Lamento que não se tenha chegado a um consenso definitivo", disse a jornalistas o chanceler colombiano, Jaime Bermúdez, depois do fim do encontro.

"O que quer e o que preocupa a Colômbia é uma cooperação eficaz. Precisamos nos livrar do narcotráfico e do terrorismo com a ajuda de todo o mundo", acrescentou.

No encontro, a Venezuela apresentou uma proposta de paz com a Colômbia, que já havia sido subestimada pelos colombianos antes mesmo de ser anunciada oficialmente.

Mas as duas nações andinas, ao menos, concordaram que os grupos armados fora-da-lei são um problema para a região, de acordo com o chanceler do país anfitrião, o equatoriano Ricardo Patiño.

A Colômbia havia afirmado que não esperava muito do encontro da Unasul, porque não acreditava que haveria muito eco para suas denúncias num fórum formado por vários aliados de Chávez.

Já a Venezuela recebeu a conclusão do encontro com otimismo.

"O acordo principal era nos encontrarmos e conseguimos, o acordo principal era debater de maneira aberta, franca e fazer as propostas de paz, e conseguimos", disse o chanceler venezuelano, Nicolás Maduro, em entrevista coletiva, na qual minimizou o fato de o encontro ter sido encerrado sem um acordo.

Agora os chanceleres sul-americanos da Unasul planejam pedir uma reunião de presidentes do Cone Sul para buscar uma solução nos próximos dias.

Tudo o que sabemos sobre:
COLOMBIAUNASULSEMACORDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.