ENTREVISTA-Boxeador cubano diz que fugiu por estar acima do peso

Guillermo Rigondeaux, a principalestrela do boxe cubano que desertou no mês passado dos JogosPan-Americanos do Rio de Janeiro e depois se arrependeu, dissenesta quarta-feira que fugiu porque tinha comido demais e seriadesclassificado por estar acima do peso. Rigondeaux foi repatriado no domingo a Cuba com seucompanheiro de escapada, o campeão mundial Erislandy Lara, apóster sido detido em Araruama (RJ) e ter dito que queria voltar àilha, de acordo com a Polícia Federal brasileira. O líder cubano Fidel Castro acusou os boxeadores de teremtraído a pátria após terem sido tentados por um empresárioalemão que, por meio de sua empresa Area Box Promotion, jáhavia financiado no passado outras deserções de boxeadores dailha. "Houve uma grande indisciplina da nossa parte. Saímos davila para comprar junto com essas pessoas (empresários) e nosenrolamos. Começamos a beber, comer e passamos do peso", disseRigondeaux à Reuters após voltar para sua casa em Havana. Elepassou quatro dias em uma "casa de visitas" do governo. De acordo com a Polícia Federal, ao serem detidos na semanapassada, os boxeadores disseram que haviam sido "dopados" pelosempresários. Os dois pugilistas não compareceram à pesagem oficial, nodia 22 de julho, antes de uma luta do Pan-Americano, algo quejamais havia acontecido na história do boxe cubano. "Sabíamos que tínhamos cometido um grande erro, que nuncaum boxeador cubano havia perdido a pesagem", disse. "Sentimosmedo e fugimos da delegação. Já não tinha mais tempo paraemagrecer." Segundo escreveu Fidel Castro em um artigo publicado nestaquarta-feira, Rigondeaux, bicampeão olímpico dos 54 quilos, eLara, campeão mundial dos 69 quilos, foram levados pelosempresários alemães a uma praia no Estado do Rio de Janeiroacompanhados de três prostituas. Fidel indicou ainda que ambos não voltariam a defender Cubaem competições de boxe no exterior. A carreira esportiva deRigondeaux e Lara está suspensa por enquanto. "Chegaram a um ponto sem volta como parte de uma delegaçãocubana nesse esporte", escreveu o líder cubano num editorialpublicado pela imprensa oficial. "O atleta que abandona sua delegação é como um soldado queabandona seus companheiros no meio de um combate", acrescentou. Mas Rigondeaux, de 26 anos, não se dá por vencido. "Nós vamos seguir no esporte, estamos esperando orientaçõesdos superiores", comentou o boxeador. "Se depender de mim,estou disposto a lutar, estou disposto a seguir minhacarreira."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.