ENTREVISTA-Ex-médico nazista pode estar no sul do Chile

O médico Aribert Heim, supostamente omais importante criminoso nazista ainda vivo, deve estarescondido no sul do Chile, disse na segunda-feira o "caçador denazistas" Efraim Zuroff. Heim é conhecido com "Doutor Morte" por ter assassinadocentenas de presos no campo de concentração de Mauthausen(Áustria), usando injeções de gasolina ou veneno direto nocoração. Ele deveria ter sido executado em 1962 na Alemanha,mas fugiu pouco antes. Está desaparecido desde então. A família diz que ele morreu em 1993. Se estiver vivo, tem93 anos. Entre as atrocidades que se atribuem a esse médicoaustríaco da SS (polícia nazista) está a de remover órgãos dasvítimas sem anestesia. Comenta-se que ele usava um crâniohumano como peso de papéis. Zuroff, diretor do Centro Simon Wiesenthal de Jerusalém,responsável por localizar dezenas de fugitivos nazistas nasúltimas três décadas, acha que sua pista está ficando quente. "O Chile é uma das possibilidades mais prováveis", disseele de Jerusalém à Reuters, por telefone. "Parte da razão para o interesse no Chile é a presença dafilha dele, que vive em Puerto Montt. Ele pode estar naPatagônia, mas a essa altura nada é definitivo", afirmou ele,que também citou Argentina e Brasil como possibilidades. Centenas de nazistas fugiram para a América Latina ao finalda Segunda Guerra Mundial. Josef Mengele, o "Anjo da Morte" emAuschwitz, viveu na Argentina e no Paraguai, antes de morrer em1979 no Brasil. Zuroff acredita que Heim continuou se deslocando nosúltimos tempos, e acha que a captura dele é o troféu maiorentre os criminosos nazistas ainda remanescentes. Em agosto,ele pensou ter localizado Heim no Chile, mas foi um falsoalarme. "Ele é o criminoso de guerra mais importante supostamenteainda vivo. Ele assassinou, torturou centenas de presos, usoupartes de corpos para experiências. Nesse sentido pode-se dizerque ele é um símbolo da perversão nazista da ciência, damedicina", disse Zuroff. Sobreviventes contam que Heim demonstrava prazer em ver omedo nos olhos de suas vítimas. Após administrar injeçõesletais, cronometrava o tempo da morte. Zuroff disse ter pressa para capturar esse nonagenário."Nosso medo é que um dos piores criminosos do Holocausto, umapessoa que assassinou pessoalmente centenas de inocentes, váfugir da Justiça. Isso é algo que só vai incentivar futurosgenocidas e homicidas em massa, e algo que vamos encarar comouma paródia de justiça."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.